EUA vão abrir fronteiras terrestres com Canadá e México a viajantes vacinados

  • Bandeira dos EUA
Washington - Os Estados Unidos vão abrir "no início de Novembro" as fronteiras terrestres com o México e o Canadá aos viajantes vacinados contra a covid-19, em deslocações consideradas não essenciais, anunciou hoje a Casa Branca.

O secretário para a Segurança Interna dos Estados Unidos, Alejandro Mayorkas, disse que a data precisa será conhecida "muito em breve", quer para as viagens por via terrestre e marítima, quer para as viagens internacionais por avião, de acordo com um comunicado oficial.


Em Março do ano passado, os Estados Unidos, o país mais atingido no mundo pela covid-19 em número de mortos e casos, fecharam as fronteiras a milhões de visitantes oriundos da União Europeia (UE), Reino Unido e China, posteriormente da Índia e do Brasil e também a quem entrava por via terrestre do México e do Canadá.


A abertura das fronteiras vai ter duas fases. Inicialmente, as vacinas serão obrigatórias para viagens não essenciais, como turismo ou visitas a familiares, mas esta obrigação não será aplicada às viagens consideradas essenciais, que foram sempre autorizadas.
Depois, a partir de "início de Janeiro", todos os viajantes, independentemente do motivo da deslocação, terão de estar totalmente vacinados.


Os centros de prevenção e controlo de doenças norte-americanos indicaram já às companhias aéreas que "todas as vacinas aprovadas pela agência reguladora de medicamentos norte-americana (FDA) e pela Organização Mundial de Saúde (OMS) serão aceites para as viagens de avião".


A covid-19 provocou pelo menos 4.853.570 mortes em todo o mundo, entre mais de 238,15 milhões infecções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.


A covid-19 é uma doença respiratória causada pelo novo coronavírus SARS-CoV-2 detectado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China. Entretanto surgiram novas variantes, nomeadamente as identificadas em países como o Reino Unido, Índia, África do Sul, Brasil e Peru.


A grande maioria dos pacientes recupera, mas uma parte evidencia sintomas por várias semanas ou até meses.

 

O secretário para a Segurança Interna dos Estados Unidos, Alejandro Mayorkas, disse que a data precisa será conhecida "muito em breve", quer para as viagens por via terrestre e marítima, quer para as viagens internacionais por avião, de acordo com um comunicado oficial.


Em Março do ano passado, os Estados Unidos, o país mais atingido no mundo pela covid-19 em número de mortos e casos, fecharam as fronteiras a milhões de visitantes oriundos da União Europeia (UE), Reino Unido e China, posteriormente da Índia e do Brasil e também a quem entrava por via terrestre do México e do Canadá.


A abertura das fronteiras vai ter duas fases. Inicialmente, as vacinas serão obrigatórias para viagens não essenciais, como turismo ou visitas a familiares, mas esta obrigação não será aplicada às viagens consideradas essenciais, que foram sempre autorizadas.
Depois, a partir de "início de Janeiro", todos os viajantes, independentemente do motivo da deslocação, terão de estar totalmente vacinados.


Os centros de prevenção e controlo de doenças norte-americanos indicaram já às companhias aéreas que "todas as vacinas aprovadas pela agência reguladora de medicamentos norte-americana (FDA) e pela Organização Mundial de Saúde (OMS) serão aceites para as viagens de avião".


A covid-19 provocou pelo menos 4.853.570 mortes em todo o mundo, entre mais de 238,15 milhões infecções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.


A covid-19 é uma doença respiratória causada pelo novo coronavírus SARS-CoV-2 detectado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China. Entretanto surgiram novas variantes, nomeadamente as identificadas em países como o Reino Unido, Índia, África do Sul, Brasil e Peru.


A grande maioria dos pacientes recupera, mas uma parte evidencia sintomas por várias semanas ou até meses.