Guterres defende urgência de resposta internacional para Myanmar

  • Secretário Geral da ONU António Guterres, discursa durante a 76ª  Sessão ordinária da Assembleia Geral das Nações Unidas
Nova Iorque - O secretário-geral da ONU, António Guterres, pede uma "resposta internacional" urgente para a crise política desencadeada em Myanmar pelo golpe de Estado militar de 01 de Fevereiro, num relatório recente divulgado quarta-feira pelas Nações Unidas.

No documento sobre "a situação dos direitos humanos dos muçulmanos rohingyas e de outras minorias em Myanmar", o dirigente da ONU afirma também temer que o poder dos militares se torne cada vez mais difícil de travar.

"É urgente organizar uma resposta internacional e regional unificada para ajudar a recolocar Myanmar na via da reforma democrática", sublinha Guterres no documento datado de 31 de Agosto. Nenhuma explicação foi avançada pela ONU sobre o longo atraso ocorrido até à sua divulgação.

Para a Assembleia-Geral anual da ONU, cuja semana de participações ao mais alto nível terminou na segunda-feira, os Estados Unidos, a Rússia e a China concluíram um acordo para impedir Myanmar de falar na prestigiada tribuna das Nações Unidas, revelou um diplomata, citado pela agência noticiosa francesa AFP.

O embaixador nomeado em Maio pela junta militar de Myanmar ainda não foi acreditado pela ONU, cuja Assembleia-Geral aprovou no fim de Junho uma resolução não-vinculativa rara a condenar o golpe de Estado.

O texto foi aprovado por 119 países, 36 -- entre os quais, a China -- abstiveram-se e um -- a Bielorrússia -- votou contra.

Enquanto se espera que a Assembleia-Geral decida sobre a representação de Myanmar, o embaixador birmanês Kyaw Moe Tun, nomeado pela ex-dirigente civil Aung San Suu Kyi, mantém o lugar do seu país na ONU.

O esforço internacional "deve ser acompanhado da libertação imediata do Presidente Win Myint, de Aung San Suu Kyi e de outros representantes do Estado", expressa António Guterres no seu relatório.

Deverá igualmente haver "um acesso e uma ajuda humanitária imediatos, em particular para as comunidades vulneráveis, entre as quais os muçulmanos rohingyas, muitos dos quais vivem no exílio no Bangladesh e noutros países", acrescenta.

Hoje, o líder rohingya Mohammad Mohibullah, principal representante desta comunidade nos campos de refugiados de Cox's Bazar, no sul do Bangladesh, foi morto a tiro por um grupo de agressores não-identificados, segundo fontes policiais.

Segundo o líder da ONU, "poderá tornar-se cada vez mais difícil impedir os militares de consolidarem o seu poder", quando o que "é importante é apoiar as aspirações democráticas do povo da Birmânia".

Myanmar está mergulhado em violência desde o golpe de Estado militar de 01 de Fevereiro, que pôs fim a um parêntesis democrático de 10 anos.

A repressão militar dos opositores é sangrenta, com mais de 1.100 civis mortos e 8.400 encarcerados, segundo uma organização não-governamental (ONG) local, a Associação de Assistência aos Prisioneiros Políticos (AAPP).

No documento sobre "a situação dos direitos humanos dos muçulmanos rohingyas e de outras minorias em Myanmar", o dirigente da ONU afirma também temer que o poder dos militares se torne cada vez mais difícil de travar.

"É urgente organizar uma resposta internacional e regional unificada para ajudar a recolocar Myanmar na via da reforma democrática", sublinha Guterres no documento datado de 31 de Agosto. Nenhuma explicação foi avançada pela ONU sobre o longo atraso ocorrido até à sua divulgação.

Para a Assembleia-Geral anual da ONU, cuja semana de participações ao mais alto nível terminou na segunda-feira, os Estados Unidos, a Rússia e a China concluíram um acordo para impedir Myanmar de falar na prestigiada tribuna das Nações Unidas, revelou um diplomata, citado pela agência noticiosa francesa AFP.

O embaixador nomeado em Maio pela junta militar de Myanmar ainda não foi acreditado pela ONU, cuja Assembleia-Geral aprovou no fim de Junho uma resolução não-vinculativa rara a condenar o golpe de Estado.

O texto foi aprovado por 119 países, 36 -- entre os quais, a China -- abstiveram-se e um -- a Bielorrússia -- votou contra.

Enquanto se espera que a Assembleia-Geral decida sobre a representação de Myanmar, o embaixador birmanês Kyaw Moe Tun, nomeado pela ex-dirigente civil Aung San Suu Kyi, mantém o lugar do seu país na ONU.

O esforço internacional "deve ser acompanhado da libertação imediata do Presidente Win Myint, de Aung San Suu Kyi e de outros representantes do Estado", expressa António Guterres no seu relatório.

Deverá igualmente haver "um acesso e uma ajuda humanitária imediatos, em particular para as comunidades vulneráveis, entre as quais os muçulmanos rohingyas, muitos dos quais vivem no exílio no Bangladesh e noutros países", acrescenta.

Hoje, o líder rohingya Mohammad Mohibullah, principal representante desta comunidade nos campos de refugiados de Cox's Bazar, no sul do Bangladesh, foi morto a tiro por um grupo de agressores não-identificados, segundo fontes policiais.

Segundo o líder da ONU, "poderá tornar-se cada vez mais difícil impedir os militares de consolidarem o seu poder", quando o que "é importante é apoiar as aspirações democráticas do povo da Birmânia".

Myanmar está mergulhado em violência desde o golpe de Estado militar de 01 de Fevereiro, que pôs fim a um parêntesis democrático de 10 anos.

A repressão militar dos opositores é sangrenta, com mais de 1.100 civis mortos e 8.400 encarcerados, segundo uma organização não-governamental (ONG) local, a Associação de Assistência aos Prisioneiros Políticos (AAPP).