Israel bombardeia posições do Hamas em represália por foguetes lançados de Gaza

O Exército israelense bombardeou, na manhã de hoje, posições do movimento islâmico Hamas na Faixa de Gaza, em represália aos foguetes disparados horas antes deste enclave palestino no território do Estado hebreu.

Segundo o Exército israelita, dois foguetes foram disparados de Gaza na madrugada deste domingo.

Um dos foguetes activou as sirenes na cidade costeira israelita de Ashdod, cerca de 40 quilómetros ao norte da Faixa de Gaza.

"O sistema israelita de defesa antimísseis, Cúpula de Ferro, lançou interceptores, de acordo com os procedimentos operacionais habituais", disse o comunicado do Exército.

?dc=5550001580;ord=1605455014112Pouco depois, aviões de combate, helicópteros e tanques bombardearam posições do Hamas, que controla o enclave palestiniano, informou o Exército.

Em Gaza, fontes de segurança informaram sobre inúmeros ataques israelitas contra os sectores de Khan Yunis, Rafah, Beit Hanun, embora sem mencionar vítimas.

O disparo desses foguetes, ainda não reivindicado, ocorre poucos dias depois da visita do secretário de Estado americano, Mike Pompeo, a Israel e aos Emirados Árabes. Este último normalizou as suas relações com o Estado hebraico, uma decisão muito criticada pelos líderes palestinianos.

Segundo o Exército israelita, dois foguetes foram disparados de Gaza na madrugada deste domingo.

Um dos foguetes activou as sirenes na cidade costeira israelita de Ashdod, cerca de 40 quilómetros ao norte da Faixa de Gaza.

"O sistema israelita de defesa antimísseis, Cúpula de Ferro, lançou interceptores, de acordo com os procedimentos operacionais habituais", disse o comunicado do Exército.

?dc=5550001580;ord=1605455014112Pouco depois, aviões de combate, helicópteros e tanques bombardearam posições do Hamas, que controla o enclave palestiniano, informou o Exército.

Em Gaza, fontes de segurança informaram sobre inúmeros ataques israelitas contra os sectores de Khan Yunis, Rafah, Beit Hanun, embora sem mencionar vítimas.

O disparo desses foguetes, ainda não reivindicado, ocorre poucos dias depois da visita do secretário de Estado americano, Mike Pompeo, a Israel e aos Emirados Árabes. Este último normalizou as suas relações com o Estado hebraico, uma decisão muito criticada pelos líderes palestinianos.