Israel: Netanyahu diz que Hamas transpôs "linha vermelha" e promete resposta

Jerusalém - O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, considerou hoje que o movimento islamita Hamas que governa a Faixa de Gaza transpôs "uma linha vermelha" e prometeu uma reposta musculada do Estado judaico.

"As organizações terroristas em Gaza atravessaram uma linha vermelha durante a tarde no 'Dia de Jerusalém'", indicou Netanyahu, para acrescentar: "Israel reagirá com força (...), quem atacou o nosso território, a nossa capital, os nossos cidadãos e soldados pagará um elevado preço".

O exército israelita anunciou hoje à noite "ter começado" a realizar uma série de ataques contra posições do Hamas na Faixa de Gaza, visando em particular um comandante das Brigadas Izz ad-Din al-Qassam, o braço armado do Hamas, que foi morto.

"Começámos a realizar ataques em Gaza. Temos como alvo um comandante sénior do Hamas", disse um porta-voz das Forças de Defesa israelitas, numa conferência de imprensa em Jerusalém.

O movimento Hamas, que governa na Faixa de Gaza, anunciou a morte de um dos seus comandantes num ataque israelita no norte do enclave.

As declarações do Hamas surgem depois de fontes sanitárias palestinianas terem adiantado a ocorrência de uma explosão de origem desconhecida no norte da Faixa de Gaza, que provocou a morte a pelo menos nove pessoas, três delas crianças.

A explosão surgiu depois de militantes do movimento islâmico Hamas terem disparado sete foguetes em direcção a Israel.

Por saber está se a explosão foi provocada por um dos foguetes lançados pelo Hamas, que poderá ter falhado o alvo, ou se se deve a uma retaliação de Israel.

No entanto, a imprensa do Hamas indicou que, numa reação inicial, Israel realizou um ataque com um 'drone' [aparelho aéreo não tripulado] que provocou um morto no norte da Faixa de Gaza.

Por outro lado, e citado pela agência noticiosa Associated Press (AP), Abu Obeida, porta-voz do braço militar do Hamas, disse que o ataque a Jerusalém foi uma resposta ao que chamou de "crimes e agressão" israelitas.

"Esta é uma mensagem que o inimigo deve entender bem", disse Obeida, que ameaçou com mais ataques se Israel "voltar a invadir a Mesquita de Al-Aqsa" e a prosseguir com as operações de desalojamento de famílias palestinianas num bairro na parte leste de Jerusalém.

O Exército de Israel adiantou que um civil israelita sofreu ferimentos leves quando um veículo foi atingido no sul do país por um míssil anti-tanque disparado de Gaza.

Várias explosões ouviram-se hoje à noite em Jerusalém depois de terem soado as sirenes de alarme anti-aéreas acionadas na sequência dos foguetes lançados a partir da Faixa de Gaza, indicou o exército israelita, sem avançar pormenores.

"Foram disparados sete foguetes desde a Faixa de Gaza contra o território israelita (em Beit Shemesh e Jerusalém). Um dos foguetes foi interceptado pelo sistema de defesa aérea 'Cúpula de Ferro'", lê-se num curto comunicado do Exército israelita.

Um dos foguetes lançados pelo Hamas caiu na periferia oeste de Jerusalém, danificando ligeiramente uma casa e causando um incêndio florestal.

"As organizações terroristas em Gaza atravessaram uma linha vermelha durante a tarde no 'Dia de Jerusalém'", indicou Netanyahu, para acrescentar: "Israel reagirá com força (...), quem atacou o nosso território, a nossa capital, os nossos cidadãos e soldados pagará um elevado preço".

O exército israelita anunciou hoje à noite "ter começado" a realizar uma série de ataques contra posições do Hamas na Faixa de Gaza, visando em particular um comandante das Brigadas Izz ad-Din al-Qassam, o braço armado do Hamas, que foi morto.

"Começámos a realizar ataques em Gaza. Temos como alvo um comandante sénior do Hamas", disse um porta-voz das Forças de Defesa israelitas, numa conferência de imprensa em Jerusalém.

O movimento Hamas, que governa na Faixa de Gaza, anunciou a morte de um dos seus comandantes num ataque israelita no norte do enclave.

As declarações do Hamas surgem depois de fontes sanitárias palestinianas terem adiantado a ocorrência de uma explosão de origem desconhecida no norte da Faixa de Gaza, que provocou a morte a pelo menos nove pessoas, três delas crianças.

A explosão surgiu depois de militantes do movimento islâmico Hamas terem disparado sete foguetes em direcção a Israel.

Por saber está se a explosão foi provocada por um dos foguetes lançados pelo Hamas, que poderá ter falhado o alvo, ou se se deve a uma retaliação de Israel.

No entanto, a imprensa do Hamas indicou que, numa reação inicial, Israel realizou um ataque com um 'drone' [aparelho aéreo não tripulado] que provocou um morto no norte da Faixa de Gaza.

Por outro lado, e citado pela agência noticiosa Associated Press (AP), Abu Obeida, porta-voz do braço militar do Hamas, disse que o ataque a Jerusalém foi uma resposta ao que chamou de "crimes e agressão" israelitas.

"Esta é uma mensagem que o inimigo deve entender bem", disse Obeida, que ameaçou com mais ataques se Israel "voltar a invadir a Mesquita de Al-Aqsa" e a prosseguir com as operações de desalojamento de famílias palestinianas num bairro na parte leste de Jerusalém.

O Exército de Israel adiantou que um civil israelita sofreu ferimentos leves quando um veículo foi atingido no sul do país por um míssil anti-tanque disparado de Gaza.

Várias explosões ouviram-se hoje à noite em Jerusalém depois de terem soado as sirenes de alarme anti-aéreas acionadas na sequência dos foguetes lançados a partir da Faixa de Gaza, indicou o exército israelita, sem avançar pormenores.

"Foram disparados sete foguetes desde a Faixa de Gaza contra o território israelita (em Beit Shemesh e Jerusalém). Um dos foguetes foi interceptado pelo sistema de defesa aérea 'Cúpula de Ferro'", lê-se num curto comunicado do Exército israelita.

Um dos foguetes lançados pelo Hamas caiu na periferia oeste de Jerusalém, danificando ligeiramente uma casa e causando um incêndio florestal.