Japão intensifica vigilância após lançamento de mísseis norte-coreanos

  • Mapa do Japão
Tóquio - O Japão está a intensificar a vigilância sobre a Coreia do Norte, disse hoje, terça-feira, o primeiro-ministro nipónico, horas após o lançamento de um míssil de curto alcance para o mar do Japão.

Segundo a Lusa, os militares sul-coreanos confirmaram o lançamento às 06h40 (hora local) de um míssil de curto alcance disparado da província interior de Chagang.

De acordo com Tóquio, poderia ter sido um míssil balístico, o que violaria as resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas (ONU) impostas ao regime de Pyongyang, proibido de realizar tais testes e que tem sido repetidamente sancionado pelos seus programas de mísseis nucleares.

O lançamento de hoje ocorre pouco depois de o regime testar dois mísseis balísticos de curto alcance a 15 de Setembro e um míssil de cruzeiro dias antes, numa recente série de testes.

"Estamos a intensificar a nossa vigilância e a analisar a situação", disse o primeiro-ministro japonês, Yoshihide Suga.

Pouco depois do teste de armas de hoje, o embaixador da Coreia do Norte nas Nações Unidas, Kim Song, num discurso perante a Assembleia Geral da ONU defendeu o direito de Pyongyang a desenvolver e testar armamento avançado para salvaguardar a sua segurança face à constante "ameaça" colocada pela Coreia do Sul e pelos Estados Unidos.

"A possível eclosão de uma nova guerra na península coreana foi travada não por causa dos EUA. É porque o nosso Estado está a desenvolver forças dissuasoras fiáveis que podem controlar as forças hostis nas suas tentativas de invasão militar", argumentou o diplomata norte-coreano.

Segundo a Lusa, os militares sul-coreanos confirmaram o lançamento às 06h40 (hora local) de um míssil de curto alcance disparado da província interior de Chagang.

De acordo com Tóquio, poderia ter sido um míssil balístico, o que violaria as resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas (ONU) impostas ao regime de Pyongyang, proibido de realizar tais testes e que tem sido repetidamente sancionado pelos seus programas de mísseis nucleares.

O lançamento de hoje ocorre pouco depois de o regime testar dois mísseis balísticos de curto alcance a 15 de Setembro e um míssil de cruzeiro dias antes, numa recente série de testes.

"Estamos a intensificar a nossa vigilância e a analisar a situação", disse o primeiro-ministro japonês, Yoshihide Suga.

Pouco depois do teste de armas de hoje, o embaixador da Coreia do Norte nas Nações Unidas, Kim Song, num discurso perante a Assembleia Geral da ONU defendeu o direito de Pyongyang a desenvolver e testar armamento avançado para salvaguardar a sua segurança face à constante "ameaça" colocada pela Coreia do Sul e pelos Estados Unidos.

"A possível eclosão de uma nova guerra na península coreana foi travada não por causa dos EUA. É porque o nosso Estado está a desenvolver forças dissuasoras fiáveis que podem controlar as forças hostis nas suas tentativas de invasão militar", argumentou o diplomata norte-coreano.