Kosovo: PR demite-se para responder por crimes contra humanidade

  • Símbolo da Justiça
Pristina - O Presidente do Kosovo, Hashim Thaci, líder guerrilheiro durante a guerra pela independência em relação à Sérvia, nos anos 1990, demitiu-se hoje para enfrentar acusações de crimes de guerra e contra a humanidade num tribunal especial em Haia.

Ex-dirigente do Exército de Libertação do Kosovo (UÇK, os separatistas armados albaneses), Thaci anunciou a sua renúncia ao cargo numa conferência de imprensa realizada hoje em Pristina, capital de Kosovo.

"Não vou comparecer em tribunal como Presidente e, [por isso] renuncio hoje para proteger a integridade do Estado", disse Thaci aos jornalistas.

Segundo adiantou, irá a Haia, sede do Tribunal Especial para o Kosovo, para se entregar voluntariamente e defender a sua inocência.

Thaci foi indiciado pelo tribunal criado para julgar alegados crimes de ex-líderes rebeldes de etnia albanesa.

O tribunal sobre o Kosovo teve origem num inquérito internacional que decorreu após um relatório do Conselho da Europa que questionou as actividades de antigos comandantes UÇK, incluindo Hashim Thaçi.

O ex-primeiro-ministro kosovar Ramush Haradinaj demitiu-se em Julho de 2019, após ser convocado pelo tribunal especial na qualidade de suspeito.

Kadri Veseli, ex-dirigente dos serviços de informações do UÇK e presidente do parlamento cessante, anunciou em Novembro passado ter também recebido uma convocatória do tribunal.

Um relatório do Conselho da Europa evocou a morte ou desaparecimento de 500 pessoas, incluindo 400 sérvios, após a retirada das forças sérvias em Junho de 1999, e quando o UÇK garantia o controlo "quase exclusivo" da situação no terreno.

O relatório refere-se designadamente a execuções sumárias, sequestros e tráfico de órgãos retirados das vítimas.

Os detalhes exactos do processo contra Thaci, Haradinaj e Veseli não foram divulgados, mas, ao anunciar a existência da acusação, a procuradoria especial alegou que os acusados foram "criminalmente responsáveis por quase 100 assassínios".

Na altura, a procuradoria adiantou ter tornado pública a existência da acusação devido àquilo que chamou de "repetidos esforços de Thaci e Veseli para obstruir e minar" o trabalho do tribunal e afirmou que ambos tentaram anular a lei de Kosovo que criou o tribunal.

O Kosovo, com cerca de 1,8 milhões de habitantes e ex-província sérvia com larga maioria de população albanesa, auto-proclamou a independência em 17 de Fevereiro de 2008, reconhecida de imediato pelos Estados Unidos e Reino Unido e, progressivamente, por 22 dos 27 Estados-membros da UE.

Espanha, Roménia, Grécia, Eslováquia e Chipre são os países da UE que não legitimaram a independência do Kosovo.

Para além de Belgrado, a antiga província do sul da Sérvia também não foi reconhecida pela Rússia, China, Índia, África do Sul e dezenas de outras capitais.

A intervenção do exército da Sérvia no Kosovo em 1998, para combater os pró-independentistas armados albaneses, motivou o envolvimento da NATO contra a Sérvia, e ainda no Montenegro, entre Março e Junho de 1999, quando foi assinado um acordo de tréguas em Kumanovo, cidade da Macedónia do Norte.

Na sequência desde acordo, o Conselho de Segurança da ONU aprovou uma resolução que confirmava a integridade territorial da Sérvia, com base na qual Belgrado recusou reconhecer a independência.

Ex-dirigente do Exército de Libertação do Kosovo (UÇK, os separatistas armados albaneses), Thaci anunciou a sua renúncia ao cargo numa conferência de imprensa realizada hoje em Pristina, capital de Kosovo.

"Não vou comparecer em tribunal como Presidente e, [por isso] renuncio hoje para proteger a integridade do Estado", disse Thaci aos jornalistas.

Segundo adiantou, irá a Haia, sede do Tribunal Especial para o Kosovo, para se entregar voluntariamente e defender a sua inocência.

Thaci foi indiciado pelo tribunal criado para julgar alegados crimes de ex-líderes rebeldes de etnia albanesa.

O tribunal sobre o Kosovo teve origem num inquérito internacional que decorreu após um relatório do Conselho da Europa que questionou as actividades de antigos comandantes UÇK, incluindo Hashim Thaçi.

O ex-primeiro-ministro kosovar Ramush Haradinaj demitiu-se em Julho de 2019, após ser convocado pelo tribunal especial na qualidade de suspeito.

Kadri Veseli, ex-dirigente dos serviços de informações do UÇK e presidente do parlamento cessante, anunciou em Novembro passado ter também recebido uma convocatória do tribunal.

Um relatório do Conselho da Europa evocou a morte ou desaparecimento de 500 pessoas, incluindo 400 sérvios, após a retirada das forças sérvias em Junho de 1999, e quando o UÇK garantia o controlo "quase exclusivo" da situação no terreno.

O relatório refere-se designadamente a execuções sumárias, sequestros e tráfico de órgãos retirados das vítimas.

Os detalhes exactos do processo contra Thaci, Haradinaj e Veseli não foram divulgados, mas, ao anunciar a existência da acusação, a procuradoria especial alegou que os acusados foram "criminalmente responsáveis por quase 100 assassínios".

Na altura, a procuradoria adiantou ter tornado pública a existência da acusação devido àquilo que chamou de "repetidos esforços de Thaci e Veseli para obstruir e minar" o trabalho do tribunal e afirmou que ambos tentaram anular a lei de Kosovo que criou o tribunal.

O Kosovo, com cerca de 1,8 milhões de habitantes e ex-província sérvia com larga maioria de população albanesa, auto-proclamou a independência em 17 de Fevereiro de 2008, reconhecida de imediato pelos Estados Unidos e Reino Unido e, progressivamente, por 22 dos 27 Estados-membros da UE.

Espanha, Roménia, Grécia, Eslováquia e Chipre são os países da UE que não legitimaram a independência do Kosovo.

Para além de Belgrado, a antiga província do sul da Sérvia também não foi reconhecida pela Rússia, China, Índia, África do Sul e dezenas de outras capitais.

A intervenção do exército da Sérvia no Kosovo em 1998, para combater os pró-independentistas armados albaneses, motivou o envolvimento da NATO contra a Sérvia, e ainda no Montenegro, entre Março e Junho de 1999, quando foi assinado um acordo de tréguas em Kumanovo, cidade da Macedónia do Norte.

Na sequência desde acordo, o Conselho de Segurança da ONU aprovou uma resolução que confirmava a integridade territorial da Sérvia, com base na qual Belgrado recusou reconhecer a independência.