Liga Árabe condena ataques "indiscriminados" de Israel contra Gaza

Cairo - O secretário-geral da Liga Árabe, Ahmed Abul Gheit, condenou hoje os ataques aéreos israelitas contra a Faixa de Gaza, que causaram pelo menos 22 mortos, incluindo nove crianças, qualificando-os de "indiscriminados e irresponsáveis".

Num comunicado, Abul Gheit considera que os ataques representam "uma demonstração miserável de força às custas do sangue das crianças" e que foram "motivados por vingança e cálculos políticos internos", segundo a agência noticiosa espanhola EFE.

Abul Gheit responsabiliza Israel pela "perigosa escalada" e sublinha que "as violações israelitas em Jerusalém e a tolerância do Governo em relação a extremistas judeus hostis aos palestinianos e árabes foram o que levou a esta perigosa situação".

Insta ainda a comunidade internacional a que actue "de imediato" para acabar com "a agressão israelita em Jerusalém, Gaza e em todos os territórios palestinianos ocupados".

Abul Gheit fez as declarações a algumas horas do início de uma reunião extraordinária dos ministros dos Negócios Estrangeiros da Liga Árabe para analisar a situação em Jerusalém.

A tensão em Jerusalém Oriental, a zona palestiniana da cidade ocupada e anexada por Israel, tem aumentado nas últimas semanas e os confrontos na Esplanada das Mesquitas, na Cidade Velha e sagrada para muçulmanos e judeus, entre palestinianos e polícia israelita causaram centenas de feridos nos últimos dias.

Na segunda-feira a violência aumentou com o lançamento de 'rockets' da Faixa de Gaza contra Israel e ataques aéreos israelitas contra este território palestiniano.

Num comunicado, Abul Gheit considera que os ataques representam "uma demonstração miserável de força às custas do sangue das crianças" e que foram "motivados por vingança e cálculos políticos internos", segundo a agência noticiosa espanhola EFE.

Abul Gheit responsabiliza Israel pela "perigosa escalada" e sublinha que "as violações israelitas em Jerusalém e a tolerância do Governo em relação a extremistas judeus hostis aos palestinianos e árabes foram o que levou a esta perigosa situação".

Insta ainda a comunidade internacional a que actue "de imediato" para acabar com "a agressão israelita em Jerusalém, Gaza e em todos os territórios palestinianos ocupados".

Abul Gheit fez as declarações a algumas horas do início de uma reunião extraordinária dos ministros dos Negócios Estrangeiros da Liga Árabe para analisar a situação em Jerusalém.

A tensão em Jerusalém Oriental, a zona palestiniana da cidade ocupada e anexada por Israel, tem aumentado nas últimas semanas e os confrontos na Esplanada das Mesquitas, na Cidade Velha e sagrada para muçulmanos e judeus, entre palestinianos e polícia israelita causaram centenas de feridos nos últimos dias.

Na segunda-feira a violência aumentou com o lançamento de 'rockets' da Faixa de Gaza contra Israel e ataques aéreos israelitas contra este território palestiniano.