Ex-PR investigado na Argentina por possível fraude em empréstimo no FMI

  • Bandeira Da Argentina
Buenos Aires - O presidente da Argentina, Alberto Fernández, emitiu um decreto instruindo o órgão jurídico especial do país a representar o Estado num processo contra o ex-presidente Maurício Macri por contrair um empréstimo no Fundo Monetário Internacional (FMI).

A Procuradoria da Fazenda Nacional argentina representará o Estado apontando possível fraude pública e prejuízo fiscal no empréstimo contraído por Macri para o governo argentino no valor de 57 mil miliões de dólares.

"Os promotores que representam o Estado como reclamante são obrigados a prosseguir com o caso, 'Mauricio Macri e outros, fraude contra órgãos do Estado' [...] e a facilitar o andamento do processo penal a fim de determinar os responsáveis ​​pelo crime", diz o decreto.

O caso está relacionado à decisão de Macri de tomar um empréstimo do FMI no valor de 57 mil miliões de dólares em  2018. O actual governo tem falado repetidamente sobre as dificuldades para o pagamento da dívida e iniciou novas negociações com o FMI devido à dívida.

Ao assumir o governo, ainda em 2019, Fernández recusou-se a receber as parcelas pendentes do acordo com o FMI, apontando considerar o empréstimo um "grande erro". O decreto pedindo a investigação contra Macri, publicado na sexta-feira (9), foi assinado pelo actual presidente argentino, pelo primeiro-ministro e pelos ministros da Economia e da Justiça do país.

Além da acção da Procuradoria da Fazenda Nacional, advogados foram instruídos a iniciar acções relacionadas a eventuais indemnizações por possíveis perdas decorrentes das acções das autoridades anteriores. A Justiça argentina também investiga o ex-ministro da Economia, Nicolás Dujovne e os ex-presidentes do Banco Central do país, Luis Caputo, Guido Sanleris e Federico Sturzenegger.

A Procuradoria da Fazenda Nacional argentina representará o Estado apontando possível fraude pública e prejuízo fiscal no empréstimo contraído por Macri para o governo argentino no valor de 57 mil miliões de dólares.

"Os promotores que representam o Estado como reclamante são obrigados a prosseguir com o caso, 'Mauricio Macri e outros, fraude contra órgãos do Estado' [...] e a facilitar o andamento do processo penal a fim de determinar os responsáveis ​​pelo crime", diz o decreto.

O caso está relacionado à decisão de Macri de tomar um empréstimo do FMI no valor de 57 mil miliões de dólares em  2018. O actual governo tem falado repetidamente sobre as dificuldades para o pagamento da dívida e iniciou novas negociações com o FMI devido à dívida.

Ao assumir o governo, ainda em 2019, Fernández recusou-se a receber as parcelas pendentes do acordo com o FMI, apontando considerar o empréstimo um "grande erro". O decreto pedindo a investigação contra Macri, publicado na sexta-feira (9), foi assinado pelo actual presidente argentino, pelo primeiro-ministro e pelos ministros da Economia e da Justiça do país.

Além da acção da Procuradoria da Fazenda Nacional, advogados foram instruídos a iniciar acções relacionadas a eventuais indemnizações por possíveis perdas decorrentes das acções das autoridades anteriores. A Justiça argentina também investiga o ex-ministro da Economia, Nicolás Dujovne e os ex-presidentes do Banco Central do país, Luis Caputo, Guido Sanleris e Federico Sturzenegger.