Milícia iraquiana diz que resistirá até forças dos EUA saírem

Teerão - Um grupo de milícias xiitas iraquianas, o Kata'ib Hezbollah, afirma que resistirá até as "forças de ocupação" dos EUA saírem do país.

  •  

EntrarCadastrar-se

08:19 10 Julho 2021

Ouvir Rádio

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Busca

 

COVID-19

Casos confirmados:

185 327 288

Pacientes recuperados:

122 006 178

Mortes:

4 007 239

JHU CSSE

 

As autoridades norte-americanas têm culpado o Kata'ib Hezbollah por uma série de ataques contra as forças dos EUA no Iraque.

A batalha do Iraque contra a "ocupação" dos EUA não terminará até que todas as forças estrangeiras não convidadas estejam fora do país, declarou Abu Ali al-Askari, alto comandante das brigadas do grupo paramilitar.

"A resistência, em todas as suas formas, é um direito inerente do povo iraquiano", escreveu al-Askari nas suas páginas do Telegram e do Twitter.

"Quem quer que defenda as forças de ocupação e os assassinos do povo iraquiano é um criminoso traidor", acrescentou o comandante.

Al-Askari negou as alegações de envolvimento do Kata'ib Hezbollah nos ataques às instalações diplomáticas dos EUA, incluindo o complexo da Zona Verde em Bagdad, Iraque, sugerindo que a política de evitar ataques à "embaixada do mal" era a posição "de princípio" do grupo.

As tensões entre as forças dos EUA e as milícias xiitas iraquianas intensificaram dramaticamente após o assassinato, em Janeiro de 2020, do comandante iraniano Qassem Soleimani, e Abu Mahdi al-Muhandis, líder do Kata'ib Hezbollah e vice-presidente das Unidades de Mobilização Popular (PMU, na sigla em inglês), que reuniu em 2014 a maioria das milícias xiitas para combater o Daesh (organização terrorista, proibida na Rússia e em vários outros países).

Os assassinatos de Soleimani e Muhandis levaram o parlamento do Iraque a aprovar uma resolução não-vinculativa exigindo a expulsão completa das tropas estrangeiras, e levaram a uma grande escalada de ataques com foguetes contra as forças dos EUA em todo o país, obrigando Washington a retirar vários milhares de tropas do Iraque em meio às tensões que se instalaram.

Washington tem culpado o Kata'ib Hezbollah como responsável por ataques aos militares dos EUA. O grupo, por sua vez, tem negado participação de alguns dos ataques, e acusa o país norte-americano de conduzir ataques em bandeira falsa.

  •  

EntrarCadastrar-se

08:19 10 Julho 2021

Ouvir Rádio

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Busca

 

COVID-19

Casos confirmados:

185 327 288

Pacientes recuperados:

122 006 178

Mortes:

4 007 239

JHU CSSE

 

As autoridades norte-americanas têm culpado o Kata'ib Hezbollah por uma série de ataques contra as forças dos EUA no Iraque.

A batalha do Iraque contra a "ocupação" dos EUA não terminará até que todas as forças estrangeiras não convidadas estejam fora do país, declarou Abu Ali al-Askari, alto comandante das brigadas do grupo paramilitar.

"A resistência, em todas as suas formas, é um direito inerente do povo iraquiano", escreveu al-Askari nas suas páginas do Telegram e do Twitter.

"Quem quer que defenda as forças de ocupação e os assassinos do povo iraquiano é um criminoso traidor", acrescentou o comandante.

Al-Askari negou as alegações de envolvimento do Kata'ib Hezbollah nos ataques às instalações diplomáticas dos EUA, incluindo o complexo da Zona Verde em Bagdad, Iraque, sugerindo que a política de evitar ataques à "embaixada do mal" era a posição "de princípio" do grupo.

As tensões entre as forças dos EUA e as milícias xiitas iraquianas intensificaram dramaticamente após o assassinato, em Janeiro de 2020, do comandante iraniano Qassem Soleimani, e Abu Mahdi al-Muhandis, líder do Kata'ib Hezbollah e vice-presidente das Unidades de Mobilização Popular (PMU, na sigla em inglês), que reuniu em 2014 a maioria das milícias xiitas para combater o Daesh (organização terrorista, proibida na Rússia e em vários outros países).

Os assassinatos de Soleimani e Muhandis levaram o parlamento do Iraque a aprovar uma resolução não-vinculativa exigindo a expulsão completa das tropas estrangeiras, e levaram a uma grande escalada de ataques com foguetes contra as forças dos EUA em todo o país, obrigando Washington a retirar vários milhares de tropas do Iraque em meio às tensões que se instalaram.

Washington tem culpado o Kata'ib Hezbollah como responsável por ataques aos militares dos EUA. O grupo, por sua vez, tem negado participação de alguns dos ataques, e acusa o país norte-americano de conduzir ataques em bandeira falsa.