OMS anuncia ensaios a três medicamentos contra a covid-19

  • Director-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus (Foto arquivo)
Genebra - A Organização Mundial de Saúde anunciou hoje que está a testar três novos tratamentos em doentes com covid-19, numa acção a decorrer em 52 países.

Os testes fazem parte da nova fase do ensaio clínico Solidarity, da OMS, que entra na fase Solidarity Plus para testar a eficácia dos medicamentos artesunate (do laboratório farmacêutico IPCA), usado para tratar casos graves de malária; imatinib (Novartis), usado para tratar alguns tipos de cancro; e infliximab (Johnson and Johnson), usado para tratar doenças do sistema imunitário, como artrite reumatoide.

Os medicamentos foram doados pelas farmacêuticas para a realização do ensaio clínico que decorre em 52 países, incluindo Portugal.

"Encontrar terapêuticas mais eficazes e acessíveis para os doentes com covid-19 permanece uma necessidade crítica e a OMS está orgulhosa por liderar este esforço global", disse o director-geral da OMS, Tedros Ghebreyesus, citado em comunicado da organização divulgado hoje.

Até agora, os únicos tratamentos que a OMS reconhece como eficazes para casos graves de covid-19 são o uso de Dexametasona, um corticoide, e o uso de antagonistas do receptor da interleucina-6.

O comunicado refere que na nova fase dos ensaios clínicos estão envolvidos cerca de 600 hospitais nos 52 países participantes, mais 16 países do que na fase inicial, sendo possível avaliar a eficácia de vários tratamentos ao mesmo tempo usando um único protocolo, recrutando milhares de pacientes para gerar estimativas robustas sobre a eficácia que um medicamento pode ter na mortalidade.

O protocolo também permite a adição de novos medicamentos ao longo do processo e o abandono dos que sejam considerados ineficazes.

Os ensaios já permitiram demonstrar, por exemplo, que medicamentos como remdesivir, hidroxicloroquina, lopinavir e interferon têm pouca ou nenhuma eficácia em pacientes hospitalizados.

O ensaio clínico vai recrutar apenas pacientes adultos, homens e mulheres, em internamento hospitalar, até 01 de Maio de 2022.

Os testes fazem parte da nova fase do ensaio clínico Solidarity, da OMS, que entra na fase Solidarity Plus para testar a eficácia dos medicamentos artesunate (do laboratório farmacêutico IPCA), usado para tratar casos graves de malária; imatinib (Novartis), usado para tratar alguns tipos de cancro; e infliximab (Johnson and Johnson), usado para tratar doenças do sistema imunitário, como artrite reumatoide.

Os medicamentos foram doados pelas farmacêuticas para a realização do ensaio clínico que decorre em 52 países, incluindo Portugal.

"Encontrar terapêuticas mais eficazes e acessíveis para os doentes com covid-19 permanece uma necessidade crítica e a OMS está orgulhosa por liderar este esforço global", disse o director-geral da OMS, Tedros Ghebreyesus, citado em comunicado da organização divulgado hoje.

Até agora, os únicos tratamentos que a OMS reconhece como eficazes para casos graves de covid-19 são o uso de Dexametasona, um corticoide, e o uso de antagonistas do receptor da interleucina-6.

O comunicado refere que na nova fase dos ensaios clínicos estão envolvidos cerca de 600 hospitais nos 52 países participantes, mais 16 países do que na fase inicial, sendo possível avaliar a eficácia de vários tratamentos ao mesmo tempo usando um único protocolo, recrutando milhares de pacientes para gerar estimativas robustas sobre a eficácia que um medicamento pode ter na mortalidade.

O protocolo também permite a adição de novos medicamentos ao longo do processo e o abandono dos que sejam considerados ineficazes.

Os ensaios já permitiram demonstrar, por exemplo, que medicamentos como remdesivir, hidroxicloroquina, lopinavir e interferon têm pouca ou nenhuma eficácia em pacientes hospitalizados.

O ensaio clínico vai recrutar apenas pacientes adultos, homens e mulheres, em internamento hospitalar, até 01 de Maio de 2022.