Países ricos continuam a armazenar vacinas em detrimento do resto do mundo

Lisboa - Os países ricos têm um excedente de pelo menos 1.200 milhões de vacinas contra a covid-19, mas muitos continuam a fechar contratos com empresas farmacêuticas para receber mais doses nos próximos meses.

Em declarações à agencia espanhola EFE, Santiago Cornejo, Director responsável por Países e Assuntos Governamentais da Aliança de Vacinas (GAVI), explicou que esta atitude dificulta os esforços a favor de acesso equitativo a esses produtos, que permanecem fora do alcance de grande parte da população mundial.

"Há pelo menos 1,2 mil milhões de doses excedentes nos países ricos, que poderiam ser bem aproveitadas. Pedimos a esses países que troquem os seus lugares na produção com a COVAX e a União Africana para que finalmente possamos ter acesso às doses que correspondem aos pedidos que nós fizemos ", disse.

COVAX é o mecanismo criado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em colaboração com a GAVI em Abril de 2020, quando os testes de vacinas estavam apenas a começar, mas já estava claro que uma vez que países com capacidade de negociação e de pagamento os monopolizariam e deixariam muito pouco para o resto do mundo.

O que a OMS temia aconteceu e enquanto os países desenvolvidos armazenaram centenas de milhões de vacinas e passaram a oferecer uma após a outra uma terceira dose às suas populações, apenas 5,8% da população da África recebeu a primeira, segundo os dados mais recentes tratado pela GAVI.

Na próxima semana terá lugar uma reunião da Assembleia Geral da ONU, em Nova Iorque, e o seu presidente, o embaixador das Maldivas, Abdullah Shahid, disse que pretende convocar um encontro com líderes e especialistas para discutir como preencher a lacuna no acesso às vacinas.

No entanto, todos os olhos estão voltados para uma cimeira que o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, estará a preparar na próxima semana com outros líderes que estarão no seu país para a reunião da ONU.

Como foi divulgado, Biden apresentaria na cimeira uma série de metas muito ambiciosas para estender a vacinação a 70% da população mundial em um ano.

Especialistas que estão imersos na gestão do dia-a-dia e na logística para tentar levar vacinas aos países mais negligenciados acreditam que se combinassem doações massivas e o levantamento da proibição que alguns países impuseram à exportação de vacinas e de alguns dos seus componentes, uma parte do problema poderia ser resolvida.

Para uma solução mais completa, também seria necessário que as empresas farmacêuticas concordassem em priorizar os pedidos da COVAX em relação aos acordos com países que oferecem pagar mais pelas vacinas.

"Uma das maiores prioridades é acabar com todas as proibições de exportação, em particular a do Governo da Índia aos seus produtores e persuadir os fabricantes a aumentarem as suas entregas para a COVAX e a União Africana", explicou Cornejo.

Cientistas afirmam que a desigualdade no acesso às vacinas é uma das principais causas do contínuo surgimento de variantes do coronavírus que são mais contagiosas e, em certos casos, podem causar doenças mais graves.

A indústria farmacêutica divulgou que até agora que foram produzidas cerca de 8 mil milhões de doses de vacinas, que chegarão a 12 mil milhões até o final do ano e a 24 mil milhões até meados de 2022.

"A pergunta que devemos fazer aos produtores e doadores é onde estão essas doses e como elas podem chegar às pessoas que precisam delas?", disse o Director da COVAX entrevistado pela Efe.

Parte da resposta está nos pedidos que vários países ricos continuam a fazer, como os Estados Unidos, que em Julho passado fechou novo acordo com a Pfizer / BioNTech para a compra de mais 200 milhões de doses que receberá entre Outubro e Abril .

Somam-se aos 500 milhões que já comprou desta mesma empresa e de outros acordos com a Moderna e Jonhson & Johnson.

A COVAX distribuiu 280 milhões de doses a 141 países, dos quais 76 milhões foram para a África e cerca de 45 milhões para a América Latina e Caribe, onde 58% da população recebeu uma dose e 35% estão totalmente vacinados.

Dadas todas as dificuldades que surgiram para uma vacinação justa em todo o mundo, a COVAX reconheceu que não será capaz de entregar os 2 biliões de doses que projectou aos países em desenvolvimento neste ano.

O programa indicou que terá apenas 1400 milhões, o que reduziu a sua meta de garantir a imunização de 40% da população de todos os países mais pobres até o final de 2021.

A meta actual é de 20%, o que permitiria cobrir todos os grupos mais vulneráveis.

"O número de doses entregues aumenta a cada semana, mas o sucesso vai depender de vários factores. Se as proibições às exportações não forem suspensas, se as empresas farmacêuticas não cumprirem as suas promessas de apoiar a COVAX e continuarem a atender uma pequena parte do mundo, esse percentual estará em risco ", alertou Cornejo.

Em declarações à agencia espanhola EFE, Santiago Cornejo, Director responsável por Países e Assuntos Governamentais da Aliança de Vacinas (GAVI), explicou que esta atitude dificulta os esforços a favor de acesso equitativo a esses produtos, que permanecem fora do alcance de grande parte da população mundial.

"Há pelo menos 1,2 mil milhões de doses excedentes nos países ricos, que poderiam ser bem aproveitadas. Pedimos a esses países que troquem os seus lugares na produção com a COVAX e a União Africana para que finalmente possamos ter acesso às doses que correspondem aos pedidos que nós fizemos ", disse.

COVAX é o mecanismo criado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em colaboração com a GAVI em Abril de 2020, quando os testes de vacinas estavam apenas a começar, mas já estava claro que uma vez que países com capacidade de negociação e de pagamento os monopolizariam e deixariam muito pouco para o resto do mundo.

O que a OMS temia aconteceu e enquanto os países desenvolvidos armazenaram centenas de milhões de vacinas e passaram a oferecer uma após a outra uma terceira dose às suas populações, apenas 5,8% da população da África recebeu a primeira, segundo os dados mais recentes tratado pela GAVI.

Na próxima semana terá lugar uma reunião da Assembleia Geral da ONU, em Nova Iorque, e o seu presidente, o embaixador das Maldivas, Abdullah Shahid, disse que pretende convocar um encontro com líderes e especialistas para discutir como preencher a lacuna no acesso às vacinas.

No entanto, todos os olhos estão voltados para uma cimeira que o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, estará a preparar na próxima semana com outros líderes que estarão no seu país para a reunião da ONU.

Como foi divulgado, Biden apresentaria na cimeira uma série de metas muito ambiciosas para estender a vacinação a 70% da população mundial em um ano.

Especialistas que estão imersos na gestão do dia-a-dia e na logística para tentar levar vacinas aos países mais negligenciados acreditam que se combinassem doações massivas e o levantamento da proibição que alguns países impuseram à exportação de vacinas e de alguns dos seus componentes, uma parte do problema poderia ser resolvida.

Para uma solução mais completa, também seria necessário que as empresas farmacêuticas concordassem em priorizar os pedidos da COVAX em relação aos acordos com países que oferecem pagar mais pelas vacinas.

"Uma das maiores prioridades é acabar com todas as proibições de exportação, em particular a do Governo da Índia aos seus produtores e persuadir os fabricantes a aumentarem as suas entregas para a COVAX e a União Africana", explicou Cornejo.

Cientistas afirmam que a desigualdade no acesso às vacinas é uma das principais causas do contínuo surgimento de variantes do coronavírus que são mais contagiosas e, em certos casos, podem causar doenças mais graves.

A indústria farmacêutica divulgou que até agora que foram produzidas cerca de 8 mil milhões de doses de vacinas, que chegarão a 12 mil milhões até o final do ano e a 24 mil milhões até meados de 2022.

"A pergunta que devemos fazer aos produtores e doadores é onde estão essas doses e como elas podem chegar às pessoas que precisam delas?", disse o Director da COVAX entrevistado pela Efe.

Parte da resposta está nos pedidos que vários países ricos continuam a fazer, como os Estados Unidos, que em Julho passado fechou novo acordo com a Pfizer / BioNTech para a compra de mais 200 milhões de doses que receberá entre Outubro e Abril .

Somam-se aos 500 milhões que já comprou desta mesma empresa e de outros acordos com a Moderna e Jonhson & Johnson.

A COVAX distribuiu 280 milhões de doses a 141 países, dos quais 76 milhões foram para a África e cerca de 45 milhões para a América Latina e Caribe, onde 58% da população recebeu uma dose e 35% estão totalmente vacinados.

Dadas todas as dificuldades que surgiram para uma vacinação justa em todo o mundo, a COVAX reconheceu que não será capaz de entregar os 2 biliões de doses que projectou aos países em desenvolvimento neste ano.

O programa indicou que terá apenas 1400 milhões, o que reduziu a sua meta de garantir a imunização de 40% da população de todos os países mais pobres até o final de 2021.

A meta actual é de 20%, o que permitiria cobrir todos os grupos mais vulneráveis.

"O número de doses entregues aumenta a cada semana, mas o sucesso vai depender de vários factores. Se as proibições às exportações não forem suspensas, se as empresas farmacêuticas não cumprirem as suas promessas de apoiar a COVAX e continuarem a atender uma pequena parte do mundo, esse percentual estará em risco ", alertou Cornejo.