Pandemia já matou 3,86 milhões de pessoas no mundo

  • Dia dos Finados 2 de Novembro sem actividades em Luanda devido a Covid-19
Paris - A pandemia de Covid-19 matou, até hoje, pelo menos 3.862.364 pessoas no mundo desde o final de Dezembro de 2019, segundo o levantamento da agência de notícias francesa AFP feito com base em dados oficiais.

Mais de 178.125.020 casos de infeção pelo novo coronavírus foram oficialmente diagnosticados desde o início da pandemia.

A grande maioria dos doentes consegue recuperar da infecção, mas uma parte deles mantém alguns sintomas durante semanas ou até meses.

Os números são baseados em relatórios diários das autoridades de saúde de cada país até às 11:00 em Lisboa, e excluem revisões posteriores de agências estatísticas, como ocorre na Rússia, Espanha e Reino Unido.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) estimou que, levando em consideração o excesso de mortalidade directa e indirectamente vinculado à covid-19, os resultados da pandemia podem ser duas a três vezes superiores aos registados oficialmente.

No sábado, foram registadas no mundo 9.048 mortes e 354.462 novos casos de infecção.

Os países que registaram o maior número de novas mortos foram o Brasil com 2.301, Índia (1.576) e Colômbia (589).

Os Estados Unidos são o país mais afectado tanto em óbitos como em casos de infecção, com 601.741 e 33.538.037 casos, de acordo com a contagem feita pela Universidade Johns Hopkins.

Depois dos Estados Unidos, os países mais afectados pela doença são o Brasil com 500.800 mortóbitos e 17.883.750 casos, a Índia (386.713 mortos e 29.881.965 casos), México (231.151 mortos e 2.475.705 casos) e o Peru (190.202 mortos e2.026.729 casos).

Entre os países mais atingidos pela covid-19, o Peru é o que apresenta o maior número de mortos em relação à sua população, com 577 mortes por 100.000 habitantes, seguido pela Hungria (310), Bósnia e Herzegovina (294), República Checa (283) e a Macedónia do Norte (263).

A Europa totaliza 1.155.684 falecidos para 53.804.384 casos, a América Latina e Caraíbas (1.227.352 óbitos e 35.638.660), os Estados Unidos e Canadá (626.944 mortos e 34.914.790 casos), Ásia (549.890 mortos e 38.816.470 casos), Médio Oriente (147.154 mortos e 8.993.995 casos), África (136.256 mortos e 5.133.679 casos) e a Oceania (1.110 mortos e 51.024 casos).

Esta avaliação foi realizada com base em dados recolhidos pelas delegações da AFP junto das autoridades nacionais competentes e informações da Organização Mundial de Saúde (OMS).

Desde o início da pandemia, o número de testes realizados aumentou substancialmente e as técnicas de rastreamento e despistagem melhoraram, levando a um aumento no número dos contágios declarados.

Devido a correções feitas pelas autoridades ou publicação tardia dos dados, os números do aumento de 24 horas podem não corresponder exactamente aos publicados no dia anterior.

Mais de 178.125.020 casos de infeção pelo novo coronavírus foram oficialmente diagnosticados desde o início da pandemia.

A grande maioria dos doentes consegue recuperar da infecção, mas uma parte deles mantém alguns sintomas durante semanas ou até meses.

Os números são baseados em relatórios diários das autoridades de saúde de cada país até às 11:00 em Lisboa, e excluem revisões posteriores de agências estatísticas, como ocorre na Rússia, Espanha e Reino Unido.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) estimou que, levando em consideração o excesso de mortalidade directa e indirectamente vinculado à covid-19, os resultados da pandemia podem ser duas a três vezes superiores aos registados oficialmente.

No sábado, foram registadas no mundo 9.048 mortes e 354.462 novos casos de infecção.

Os países que registaram o maior número de novas mortos foram o Brasil com 2.301, Índia (1.576) e Colômbia (589).

Os Estados Unidos são o país mais afectado tanto em óbitos como em casos de infecção, com 601.741 e 33.538.037 casos, de acordo com a contagem feita pela Universidade Johns Hopkins.

Depois dos Estados Unidos, os países mais afectados pela doença são o Brasil com 500.800 mortóbitos e 17.883.750 casos, a Índia (386.713 mortos e 29.881.965 casos), México (231.151 mortos e 2.475.705 casos) e o Peru (190.202 mortos e2.026.729 casos).

Entre os países mais atingidos pela covid-19, o Peru é o que apresenta o maior número de mortos em relação à sua população, com 577 mortes por 100.000 habitantes, seguido pela Hungria (310), Bósnia e Herzegovina (294), República Checa (283) e a Macedónia do Norte (263).

A Europa totaliza 1.155.684 falecidos para 53.804.384 casos, a América Latina e Caraíbas (1.227.352 óbitos e 35.638.660), os Estados Unidos e Canadá (626.944 mortos e 34.914.790 casos), Ásia (549.890 mortos e 38.816.470 casos), Médio Oriente (147.154 mortos e 8.993.995 casos), África (136.256 mortos e 5.133.679 casos) e a Oceania (1.110 mortos e 51.024 casos).

Esta avaliação foi realizada com base em dados recolhidos pelas delegações da AFP junto das autoridades nacionais competentes e informações da Organização Mundial de Saúde (OMS).

Desde o início da pandemia, o número de testes realizados aumentou substancialmente e as técnicas de rastreamento e despistagem melhoraram, levando a um aumento no número dos contágios declarados.

Devido a correções feitas pelas autoridades ou publicação tardia dos dados, os números do aumento de 24 horas podem não corresponder exactamente aos publicados no dia anterior.