Pandemia pode piorar nos EUA após festas de fim de ano, alerta Fauci

  • Mapa Dos Eua
Washington - O imunologista americano Anthony Fauci teme que a pandemia de covid-19 piore depois das festas de fim de ano.

"Compartilho a preocupação do presidente eleito (Joe) Biden de que as coisas podem piorar no decorrer das próximas semanas", afirmou o especialista em doenças infecciosas ao canal CNN.

Os Estados Unidos, país mais afectado pelo coronavírus, regista uma aceleração expressiva da pandemia, com mais de 200 mil casos confirmados e mais de três mil mortes por dia nas últimas três semanas.

Fauci, que foi conselheiro da Casa Branca durante a crise e que Biden já nomeou como assessor, disse neste domingo que o aumento de casos pode acontecer "num momento crítico", o que aumentaria a pressão sobre um sistema hospitalar muito saturado.

O coordenador de Saúde Pública dos Estados Unidos, Jerome Adams, também admitiu neste domingo que está "muito preocupado" com um possível aumento dos contágios após as festas de fim de ano.

"Mesmo que tenham viajado... há medidas que podem adoptar", disse Adams à população americana, ao recomendar que não visitem pessoas em situação de risco nas duas semanas posteriores aos deslocamentos.

Na semana anterior ao Natal, quase um milhão de americanos viajaram de avião a cada dia, de acordo com a agência TSA, responsável pela segurança nos aeroportos.

O início de uma grande campanha de vacinação é, no entanto, um motivo de esperança para um país que já registou quase 19 milhões de casos de covid-19 e mais de 331 mil mortos desde o início da pandemia.

"Compartilho a preocupação do presidente eleito (Joe) Biden de que as coisas podem piorar no decorrer das próximas semanas", afirmou o especialista em doenças infecciosas ao canal CNN.

Os Estados Unidos, país mais afectado pelo coronavírus, regista uma aceleração expressiva da pandemia, com mais de 200 mil casos confirmados e mais de três mil mortes por dia nas últimas três semanas.

Fauci, que foi conselheiro da Casa Branca durante a crise e que Biden já nomeou como assessor, disse neste domingo que o aumento de casos pode acontecer "num momento crítico", o que aumentaria a pressão sobre um sistema hospitalar muito saturado.

O coordenador de Saúde Pública dos Estados Unidos, Jerome Adams, também admitiu neste domingo que está "muito preocupado" com um possível aumento dos contágios após as festas de fim de ano.

"Mesmo que tenham viajado... há medidas que podem adoptar", disse Adams à população americana, ao recomendar que não visitem pessoas em situação de risco nas duas semanas posteriores aos deslocamentos.

Na semana anterior ao Natal, quase um milhão de americanos viajaram de avião a cada dia, de acordo com a agência TSA, responsável pela segurança nos aeroportos.

O início de uma grande campanha de vacinação é, no entanto, um motivo de esperança para um país que já registou quase 19 milhões de casos de covid-19 e mais de 331 mil mortos desde o início da pandemia.