Papa celebrará o consistório com regras especiais devido à pandemia

  • Papa Francisco
Cidade do Vaticano – O Papa Francisco celebra o consistório no dia 28 de Novembro para a criação de 13 novos cardeais, mas devido à pandemia muitos fiéis não serão admitidos e alguns cardeais seguirão a cerimónia online.

Entre os 13 novos cardeais, quatro deles com mais de 80 anos, não participando por isso de um futuro conclave, estão o arcebispo de Santiago do Chile, o espanhol Celestino Aós, e o bispo emérito de San Cristóbal de las Casas (México), o mexicano Felipe Arizmedi Esquivel.

O Vaticano confirmou hoje que aos futuros cardeais que não podem viajar até Roma o boné e o anel cardinalício será entregue por um representante do Papa.

Além disso, “poderão participar da celebração de forma remota através de uma plataforma digital que lhes permitirá conectar-se com a Basílica do Vaticano”, explicaram.

A celebração do consistório incluirá uma cerimónia no sábado na qual o Papa imporá aos cardeais o boné e lhes dará o anel e a transferência do Título ou Diaconia.

No domingo, 29 de Novembro, no altar da Cátedra, na Basílica do Vaticano, o Papa celebrará a missa com os novos cardeais.

Tendo em conta as normas sanitárias em vigor devido à pandemia de covid-19, não serão efetuadas as habituais visitas de cortesia, que consistiam numa receção de amigos e familiares para felicitar os novos cardeais.

Além disso, as celebrações do consistório decorrerão com uma participação muito limitada de fiéis e serão reservadas apenas para aqueles que acompanharão os cardeais recém-criados. No total, apenas 100 fiéis serão permitidos.

A celebração ocorre como de costume e apenas o abraço de paz entre os cardeais será omitido.

Entre os nove que serão criados cardeais e com menos de 80 anos estão os dois novos membros da Cúria, o prefeito da Congregação para a Causa dos Santos, o arcebispo italiano Marcello Semeraro e o novo secretário-geral do Sínodo dos Bispos, o maltês Mario Grech.

O Arcebispo de Kigali, Ruanda, Antoine Kambnada, também serão criados cardeais; o Arcebispo de Washington, Wilton Gregory; o guardião do convento de Assis, Mauro Gambetti, e o Arcebispo de Siena (Itália), Augusto Lojudice.

Entre os quatro com mais de 80 anos está o bispo emérito de San Cristóbal de las Casas, o ex-núncio do Vaticano e observador nas Nações Unidas, Silvano Tomasi; o pregador da Casa Pontifícia, Raniero Cantalamessa, e o ex-director da Caritas de Roma, Enrico Feroci.

Segundo a agência Ecclesia, este vai ser o sétimo consistório do actual pontificado, após os realizados a 22 de Fevereiro de 2014, 14 de Fevereiro de 2015, 19 de Novembro de 2016, 28 de Junho de 2017, 28 de Junho de 2018 e 05 de Outubro de 2019.

Entre os 13 novos cardeais, quatro deles com mais de 80 anos, não participando por isso de um futuro conclave, estão o arcebispo de Santiago do Chile, o espanhol Celestino Aós, e o bispo emérito de San Cristóbal de las Casas (México), o mexicano Felipe Arizmedi Esquivel.

O Vaticano confirmou hoje que aos futuros cardeais que não podem viajar até Roma o boné e o anel cardinalício será entregue por um representante do Papa.

Além disso, “poderão participar da celebração de forma remota através de uma plataforma digital que lhes permitirá conectar-se com a Basílica do Vaticano”, explicaram.

A celebração do consistório incluirá uma cerimónia no sábado na qual o Papa imporá aos cardeais o boné e lhes dará o anel e a transferência do Título ou Diaconia.

No domingo, 29 de Novembro, no altar da Cátedra, na Basílica do Vaticano, o Papa celebrará a missa com os novos cardeais.

Tendo em conta as normas sanitárias em vigor devido à pandemia de covid-19, não serão efetuadas as habituais visitas de cortesia, que consistiam numa receção de amigos e familiares para felicitar os novos cardeais.

Além disso, as celebrações do consistório decorrerão com uma participação muito limitada de fiéis e serão reservadas apenas para aqueles que acompanharão os cardeais recém-criados. No total, apenas 100 fiéis serão permitidos.

A celebração ocorre como de costume e apenas o abraço de paz entre os cardeais será omitido.

Entre os nove que serão criados cardeais e com menos de 80 anos estão os dois novos membros da Cúria, o prefeito da Congregação para a Causa dos Santos, o arcebispo italiano Marcello Semeraro e o novo secretário-geral do Sínodo dos Bispos, o maltês Mario Grech.

O Arcebispo de Kigali, Ruanda, Antoine Kambnada, também serão criados cardeais; o Arcebispo de Washington, Wilton Gregory; o guardião do convento de Assis, Mauro Gambetti, e o Arcebispo de Siena (Itália), Augusto Lojudice.

Entre os quatro com mais de 80 anos está o bispo emérito de San Cristóbal de las Casas, o ex-núncio do Vaticano e observador nas Nações Unidas, Silvano Tomasi; o pregador da Casa Pontifícia, Raniero Cantalamessa, e o ex-director da Caritas de Roma, Enrico Feroci.

Segundo a agência Ecclesia, este vai ser o sétimo consistório do actual pontificado, após os realizados a 22 de Fevereiro de 2014, 14 de Fevereiro de 2015, 19 de Novembro de 2016, 28 de Junho de 2017, 28 de Junho de 2018 e 05 de Outubro de 2019.