PM britânico e líder trabalhista destacam devoção à Rainha

  • Boris Johnson, Primeiro Ministro Britanico
Londres - O primeiro-ministro e o líder da oposição britânicos, Boris Johnson e Keir Starmer, homenagearam hoje o príncipe Filipe, que morreu aos 99 anos, e destacaram a sua dedicação à Rainha e à monarquia.

"Ele adoptou uma ética de serviço que aplicou ao longo das mudanças sem precedentes do pós-guerra e, como o condutor exímio de carruagens que era, ajudou a guiar a família real e a monarquia", afirmou Johnson, numa declaração no exterior da residência oficial de Downing Street.

Lembrando o seu heroísmo em combate durante a Segunda Guerra Mundial, a consciência ambientalista "antes de ser moda" e a criação de um popular programa de actividades dirigido aos jovens, o primeiro-ministro recordou também o apoio constante ao longo de mais de 70 anos de casamento à monarca britânica. 

"É em Sua Majestade e na família que os pensamentos da nossa nação devem voltar-se hoje, porque eles perderam não apenas uma figura pública muito amada e altamente respeitada, mas um marido dedicado e um pai orgulhoso e amoroso, avô, e nos últimos anos, bisavô", vincou.

Também Keir Starmer, líder do Partido Trabalhista, principal força da oposição, prestou homenagem ao serviço público de Filipe e destacou a "devoção à Rainha". 

"Durante mais de sete décadas, ele esteve ao lado dela. O casamento deles tem sido um símbolo de força, estabilidade e esperança, mesmo enquanto o mundo ao redor deles mudou - mais recentemente durante a pandemia. Foi uma parceria que inspirou milhões no Reino Unido e além", disse, num comunicado.

O príncipe, também conhecido pelo título de Duque de Edimburgo, ia completar 100 anos em 10 de Junho. 

Tinha saído recentemente do hospital, onde foi submetido a uma intervenção cirúrgica a problemas cardíacos, e encontrava-se no Palácio de Windsor. 

Como consorte mais antigo do Reino Unido, realizou mais de 22 mil compromissos públicos individuais, e muitas vezes se descreveu de forma bem-humorada como "o inaugurador de placas mais experiente do mundo".

Afastou-se das funções púbicas em 2017 e a sua morte não afecta a linha de sucessão, pois ele nunca fez parte dela, e o herdeiro continua a ser o príncipe Carlos.

"Ele adoptou uma ética de serviço que aplicou ao longo das mudanças sem precedentes do pós-guerra e, como o condutor exímio de carruagens que era, ajudou a guiar a família real e a monarquia", afirmou Johnson, numa declaração no exterior da residência oficial de Downing Street.

Lembrando o seu heroísmo em combate durante a Segunda Guerra Mundial, a consciência ambientalista "antes de ser moda" e a criação de um popular programa de actividades dirigido aos jovens, o primeiro-ministro recordou também o apoio constante ao longo de mais de 70 anos de casamento à monarca britânica. 

"É em Sua Majestade e na família que os pensamentos da nossa nação devem voltar-se hoje, porque eles perderam não apenas uma figura pública muito amada e altamente respeitada, mas um marido dedicado e um pai orgulhoso e amoroso, avô, e nos últimos anos, bisavô", vincou.

Também Keir Starmer, líder do Partido Trabalhista, principal força da oposição, prestou homenagem ao serviço público de Filipe e destacou a "devoção à Rainha". 

"Durante mais de sete décadas, ele esteve ao lado dela. O casamento deles tem sido um símbolo de força, estabilidade e esperança, mesmo enquanto o mundo ao redor deles mudou - mais recentemente durante a pandemia. Foi uma parceria que inspirou milhões no Reino Unido e além", disse, num comunicado.

O príncipe, também conhecido pelo título de Duque de Edimburgo, ia completar 100 anos em 10 de Junho. 

Tinha saído recentemente do hospital, onde foi submetido a uma intervenção cirúrgica a problemas cardíacos, e encontrava-se no Palácio de Windsor. 

Como consorte mais antigo do Reino Unido, realizou mais de 22 mil compromissos públicos individuais, e muitas vezes se descreveu de forma bem-humorada como "o inaugurador de placas mais experiente do mundo".

Afastou-se das funções púbicas em 2017 e a sua morte não afecta a linha de sucessão, pois ele nunca fez parte dela, e o herdeiro continua a ser o príncipe Carlos.