Polícia norueguesa investiga assassinato de cinco pessoas

Oslo - A procuradora Ann Irén Svane Mathiassen, responsável pela instrução do processo de assassinato de cinco pessoas em Kongsberg, disse à agência de notícias NTB que o detido, um cidadão dinamarquês de 37 anos, residente na referida localidade norueguesa, já admitiu os factos de que foi acusado.

“É conhecido da polícia, mas prefiro não dar mais detalhes sobre os assuntos em que esteve metido”, disse Mathiassen.

A polícia da Noruega, que convocou uma conferência de imprensa para hoje, de manhã, ainda não se referiu aos motivos que levaram o agressor a matar. A Procuradoria também não se pronunciou sobre as suas motivações.

De acordo com o canal de televisão TV2 da Noruega, o atacante “converteu-se ao Islão”.

“Acreditamos que atacou sozinho. É natural que se investigue a possibilidade de ter sido um acto terrorista. Mesmo assim, ainda é cedo para nos pronunciarmos”, disse na quarta-feira, à noite, o chefe da polícia, Oyvind Aas.

Oyvind Aas acrescentou que um dos feridos que se encontra hospitalizado é um agente da polícia que se encontrava fora de serviço, num supermercado.

Quarta-feira, ao final da tarde, a polícia norueguesa recebeu o primeiro aviso de que um homem “armado com arco e flechas” se encontrava no centro de Kongsberg.

O atacante foi detido depois de confrontar e tentar fugir das autoridades.

“Há vários cenários onde aconteceram os crimes. Esta pessoa movimentou-se numa grande zona do centro onde se cometeram actos delituosos”, afirmou Aas sobre o percurso do agressor durante o ataque.

No momento da perseguição, em que estiveram envolvidos helicópteros e agentes do corpo especial de polícia, as autoridades pediram aos residentes para permanecerem em casa.

A primeira-ministra em funções, Erna Solberg, considerou os factos “horríveis”, tal como o líder da oposição, o trabalhista Jonas Store, que hoje assume a chefia do novo governo da Noruega, depois de ter vencido as eleições gerais no mês passado.

Kongsberg é uma comuna e cidade da Noruega com 792 km2 de área e cerca de 23 mil habitantes (censo de 2004), situada a sudoeste de Oslo, a capital do país. A zona é produtora de prata desde o século XVII (dezassete) e possui indústrias de armamento.

“É conhecido da polícia, mas prefiro não dar mais detalhes sobre os assuntos em que esteve metido”, disse Mathiassen.

A polícia da Noruega, que convocou uma conferência de imprensa para hoje, de manhã, ainda não se referiu aos motivos que levaram o agressor a matar. A Procuradoria também não se pronunciou sobre as suas motivações.

De acordo com o canal de televisão TV2 da Noruega, o atacante “converteu-se ao Islão”.

“Acreditamos que atacou sozinho. É natural que se investigue a possibilidade de ter sido um acto terrorista. Mesmo assim, ainda é cedo para nos pronunciarmos”, disse na quarta-feira, à noite, o chefe da polícia, Oyvind Aas.

Oyvind Aas acrescentou que um dos feridos que se encontra hospitalizado é um agente da polícia que se encontrava fora de serviço, num supermercado.

Quarta-feira, ao final da tarde, a polícia norueguesa recebeu o primeiro aviso de que um homem “armado com arco e flechas” se encontrava no centro de Kongsberg.

O atacante foi detido depois de confrontar e tentar fugir das autoridades.

“Há vários cenários onde aconteceram os crimes. Esta pessoa movimentou-se numa grande zona do centro onde se cometeram actos delituosos”, afirmou Aas sobre o percurso do agressor durante o ataque.

No momento da perseguição, em que estiveram envolvidos helicópteros e agentes do corpo especial de polícia, as autoridades pediram aos residentes para permanecerem em casa.

A primeira-ministra em funções, Erna Solberg, considerou os factos “horríveis”, tal como o líder da oposição, o trabalhista Jonas Store, que hoje assume a chefia do novo governo da Noruega, depois de ter vencido as eleições gerais no mês passado.

Kongsberg é uma comuna e cidade da Noruega com 792 km2 de área e cerca de 23 mil habitantes (censo de 2004), situada a sudoeste de Oslo, a capital do país. A zona é produtora de prata desde o século XVII (dezassete) e possui indústrias de armamento.