PR dos EUA destaca contributo dos imigrantes e critica "demonização frequente"

  • Joe Biden, Presidente eleito dos Estados Unidos da América
Washington - O Presidente norte-americano, Joe Biden, destacou hoje que os Estados Unidos da América (EUA) "são, foram e sempre serão uma nação de imigrantes", criticando uma "demonização demasiado frequente" da imigração que tanto contribuiu para o desenvolvimento do país.

Estas palavras de Biden constam numa nota presidencial divulgada esta terça-feira por ocasião do mês da Herança Nacional Imigrante.

Na nota, o chefe de Estado reiterou os apelos ao Congresso norte-americano para que aprove a sua proposta de reforma migratória que prevê, entre outros aspectos, regularizar a situação de cerca de 11 milhões de migrantes indocumentados existentes no país, ou seja, a atribuição da residência permanente legal e da cidadania.

"Através de cada geração ao longo da nossa História, vagas após vagas de imigrantes enriqueceram a nossa nação, tornando-nos melhores, mais fortes, mais inovadores e mais prósperos", salientou Joe Biden.

O Presidente frisou igualmente que os EUA "são, foram e sempre serão uma nação de imigrantes", que "enriqueceram e fortaleceram" o país.

Joe Biden argumentou que, após "o período especialmente difícil" provocado pela pandemia do novo coronavírus e perante uma "demonização demasiado frequente" dos imigrantes, é "essencial" reflectir sobre "a coragem demonstrada por gerações de comunidades de imigrantes" e regressar a um compromisso "com os valores de uma nação de acolhimento".

Lembrou ainda o facto, e a honra, de ter ao seu lado na Casa Branca a vice-presidente, Kamala Harris, a primeira filha de imigrantes a ocupar tal cargo na história do país.

Desde que tomou posse como Presidente dos EUA, em 20 de Janeiro deste ano, Joe Biden assumiu uma postura em relação às questões migratórias muito diferente a do seu antecessor na Casa Branca, o republicano Donald Trump, cuja administração foi marcada por uma retórica dura e uma linha política crítica em relação à imigração.

Estas palavras de Biden constam numa nota presidencial divulgada esta terça-feira por ocasião do mês da Herança Nacional Imigrante.

Na nota, o chefe de Estado reiterou os apelos ao Congresso norte-americano para que aprove a sua proposta de reforma migratória que prevê, entre outros aspectos, regularizar a situação de cerca de 11 milhões de migrantes indocumentados existentes no país, ou seja, a atribuição da residência permanente legal e da cidadania.

"Através de cada geração ao longo da nossa História, vagas após vagas de imigrantes enriqueceram a nossa nação, tornando-nos melhores, mais fortes, mais inovadores e mais prósperos", salientou Joe Biden.

O Presidente frisou igualmente que os EUA "são, foram e sempre serão uma nação de imigrantes", que "enriqueceram e fortaleceram" o país.

Joe Biden argumentou que, após "o período especialmente difícil" provocado pela pandemia do novo coronavírus e perante uma "demonização demasiado frequente" dos imigrantes, é "essencial" reflectir sobre "a coragem demonstrada por gerações de comunidades de imigrantes" e regressar a um compromisso "com os valores de uma nação de acolhimento".

Lembrou ainda o facto, e a honra, de ter ao seu lado na Casa Branca a vice-presidente, Kamala Harris, a primeira filha de imigrantes a ocupar tal cargo na história do país.

Desde que tomou posse como Presidente dos EUA, em 20 de Janeiro deste ano, Joe Biden assumiu uma postura em relação às questões migratórias muito diferente a do seu antecessor na Casa Branca, o republicano Donald Trump, cuja administração foi marcada por uma retórica dura e uma linha política crítica em relação à imigração.