PR turco mobiliza mundo muçulmano e pressiona Israel

  • Presidente Turco,  Recep Tayyip Erdogan
Ancara – O Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, está envolvido em intensos contactos diplomáticos por telefone com o objectivo de impedir o prosseguimento do uso da força por Israel contra a população palestiniana, anunciou o seu gabinete.

De acordo com esta fonte oficial, Erdogan já contactou desde a noite de segunda-feira com o rei da Malásia e com os líderes do Qatar, Kuwait e Jordânia, com o objectivo de garantir uma forte posição conjunta de nações muçulmanas contra Israel.

O Presidente turco, que denunciou veementemente as acções repressivas israelitas no complexo da mesquita Al-Aqsa durante o mês de jejum do Ramadão, também manteve conversações com o presidente da Autoridade Palestiniana, Mahmoud Abbas, e com o líder do Hamas, Ismail Haniyeh.

O conflito surge num momento em que a Turquia estaria alegadamente a tentar restaurar os laços com Israel.

Os dois países retiraram os seus embaixadores em 2018, após os Estados Unidos transferirem a sua embaixada de Telavive para Jerusalém, uma decisão que implicou massivos protestos dos palestinianos.

No final do dia de segunda-feira, milhares de manifestantes desfilaram junto à embaixada de Israel em Ancara e no consulado de Istambul em protestos contra a política israelita, ignorando as restrições no país devido à Covid-19.

A tensão em Jerusalém Oriental, a zona palestiniana da cidade ocupada e anexada por Israel, tem aumentado nas últimas semanas e os confrontos na Esplanada das Mesquitas, na Cidade Velha e sagrada para muçulmanos e judeus, entre palestinianos e a polícia israelita causaram centenas de feridos nos últimos dias.

Na segunda-feira, a violência aumentou com o lançamento de ‘rockets’ da Faixa de Gaza contra Israel e ataques aéreos israelitas contra este território palestiniano que provocaram dezenas de mortos.

De acordo com esta fonte oficial, Erdogan já contactou desde a noite de segunda-feira com o rei da Malásia e com os líderes do Qatar, Kuwait e Jordânia, com o objectivo de garantir uma forte posição conjunta de nações muçulmanas contra Israel.

O Presidente turco, que denunciou veementemente as acções repressivas israelitas no complexo da mesquita Al-Aqsa durante o mês de jejum do Ramadão, também manteve conversações com o presidente da Autoridade Palestiniana, Mahmoud Abbas, e com o líder do Hamas, Ismail Haniyeh.

O conflito surge num momento em que a Turquia estaria alegadamente a tentar restaurar os laços com Israel.

Os dois países retiraram os seus embaixadores em 2018, após os Estados Unidos transferirem a sua embaixada de Telavive para Jerusalém, uma decisão que implicou massivos protestos dos palestinianos.

No final do dia de segunda-feira, milhares de manifestantes desfilaram junto à embaixada de Israel em Ancara e no consulado de Istambul em protestos contra a política israelita, ignorando as restrições no país devido à Covid-19.

A tensão em Jerusalém Oriental, a zona palestiniana da cidade ocupada e anexada por Israel, tem aumentado nas últimas semanas e os confrontos na Esplanada das Mesquitas, na Cidade Velha e sagrada para muçulmanos e judeus, entre palestinianos e a polícia israelita causaram centenas de feridos nos últimos dias.

Na segunda-feira, a violência aumentou com o lançamento de ‘rockets’ da Faixa de Gaza contra Israel e ataques aéreos israelitas contra este território palestiniano que provocaram dezenas de mortos.