Colômbia é o primeiro país americano a receber vacinas via COVAX

  • Vacina contra a Covid-19
Bogotá - A Colômbia tornou-se o primeiro país das Américas a receber uma remessa de vacinas contra o coronavírus da iniciativa COVAX, apoiada pelas Nações Unidas, ao receber 117 mil doses da vacina da Pfizer/BioNTech.

A COVAX é um programa destinado a garantir que as populações dos países mais vulneráveis do mundo sejam vacinadas.

A chegada das vacinas à Colômbia ocorre dias depois de o país assinalar o primeiro aniversário do primeiro caso de covid-19 no Estado sul-americano.

A Organização Pan-Americana da Saúde disse que espera aumentar mensalmente o acesso às vacinas na região por meio do esforço da COVAX, tendo planos para entregar cerca de 280 milhões de vacinas às Américas e ao Caribe até o final do ano.

Mas a iniciativa, criada para garantir um acesso justo às vacinas por países de baixo e médio rendimento, tem sido prejudicada pelo fornecimento global severamente limitado de doses e por problemas logísticos.

Embora tenha como objectivo entregar 2.000 milhões de doses este ano, actualmente tem acordos legalmente vinculativos apenas para várias centenas de milhões.

Num comunicado divulgado segunda-feira, a Organização Pan-Americana da Saúde adiantou que 36 países da região vão receber vacinas através da iniciativa COVAX, com 26 a pagarem-nas com os seus próprios meios financeiros e as restantes dez a receberem-nas de forma gratuita.

"A chegada [das primeiras doses à Colômbia] significa que mais profissionais de saúde e populações de alto risco podem começar a ser vacinados", disse o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, também num comunicado.

"A pandemia de covid-19 só pode terminar se a vacinação ocorrer de forma equitativa, e estou realmente feliz em ver as doses da vacina a chegarem esta semana, através da COVAX, à América do Sul e a outras regiões", sublinhou Ghebreyesus.

A COVAX está a antever o fornecimento de vacinas suficientes para 20% a 30% das pessoas nos países mais pobres, número que, porém, ainda deixará esses países vulneráveis a surtos do novo coronavírus. Os especialistas estimam que pelo menos 70% da população precisa ser protegida contra a covid-19 prevenir futuras epidemias", recordou.

A Colômbia, o terceiro maior país da América Latina em população, já tinha começado a administrar as doses da vacina, depois de ter recebido uma primeira remessa a 15 de Fevereiro passado.

As autoridades de Bogotá indicaram que pretendem vacinar 35 milhões de pessoas ao longo de 2021, incluindo centenas de milhares de venezuelanos migrantes e refugiados num país de 50 milhões de habitantes.

Segundo os dados oficiais mais recentes, a Colômbia acumulou mais de 2,25 milhões de casos de covid-19, tendo ultrapassado as 59.700 mortes.

Este ano, o Governo colombiano espera obter 20 milhões de doses de vacina através da COVAX.

A Organização Pan-Americana de Saúde adiantou hoje esperar que todos os países da região possam receber já em Março as primeiras doses da vacina da AstraZenaca/Oxford.

Além da Colômbia, também o Peru, El Salvador e a Bolívia vão receber as vacinas da Pfizer/BionTech assim que estiverem confluídos todos os processos administrativos.

Na semana passada, o Ghana foi o primeiro país do mundo a receber vacinas ao abrigo da iniciativa COVAX, ao obter 600 mil doses das da Astrazeneca.

A COVAX é um programa destinado a garantir que as populações dos países mais vulneráveis do mundo sejam vacinadas.

A chegada das vacinas à Colômbia ocorre dias depois de o país assinalar o primeiro aniversário do primeiro caso de covid-19 no Estado sul-americano.

A Organização Pan-Americana da Saúde disse que espera aumentar mensalmente o acesso às vacinas na região por meio do esforço da COVAX, tendo planos para entregar cerca de 280 milhões de vacinas às Américas e ao Caribe até o final do ano.

Mas a iniciativa, criada para garantir um acesso justo às vacinas por países de baixo e médio rendimento, tem sido prejudicada pelo fornecimento global severamente limitado de doses e por problemas logísticos.

Embora tenha como objectivo entregar 2.000 milhões de doses este ano, actualmente tem acordos legalmente vinculativos apenas para várias centenas de milhões.

Num comunicado divulgado segunda-feira, a Organização Pan-Americana da Saúde adiantou que 36 países da região vão receber vacinas através da iniciativa COVAX, com 26 a pagarem-nas com os seus próprios meios financeiros e as restantes dez a receberem-nas de forma gratuita.

"A chegada [das primeiras doses à Colômbia] significa que mais profissionais de saúde e populações de alto risco podem começar a ser vacinados", disse o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, também num comunicado.

"A pandemia de covid-19 só pode terminar se a vacinação ocorrer de forma equitativa, e estou realmente feliz em ver as doses da vacina a chegarem esta semana, através da COVAX, à América do Sul e a outras regiões", sublinhou Ghebreyesus.

A COVAX está a antever o fornecimento de vacinas suficientes para 20% a 30% das pessoas nos países mais pobres, número que, porém, ainda deixará esses países vulneráveis a surtos do novo coronavírus. Os especialistas estimam que pelo menos 70% da população precisa ser protegida contra a covid-19 prevenir futuras epidemias", recordou.

A Colômbia, o terceiro maior país da América Latina em população, já tinha começado a administrar as doses da vacina, depois de ter recebido uma primeira remessa a 15 de Fevereiro passado.

As autoridades de Bogotá indicaram que pretendem vacinar 35 milhões de pessoas ao longo de 2021, incluindo centenas de milhares de venezuelanos migrantes e refugiados num país de 50 milhões de habitantes.

Segundo os dados oficiais mais recentes, a Colômbia acumulou mais de 2,25 milhões de casos de covid-19, tendo ultrapassado as 59.700 mortes.

Este ano, o Governo colombiano espera obter 20 milhões de doses de vacina através da COVAX.

A Organização Pan-Americana de Saúde adiantou hoje esperar que todos os países da região possam receber já em Março as primeiras doses da vacina da AstraZenaca/Oxford.

Além da Colômbia, também o Peru, El Salvador e a Bolívia vão receber as vacinas da Pfizer/BionTech assim que estiverem confluídos todos os processos administrativos.

Na semana passada, o Ghana foi o primeiro país do mundo a receber vacinas ao abrigo da iniciativa COVAX, ao obter 600 mil doses das da Astrazeneca.