Presidente russo já recebeu segunda dose de vacina

  • Vladimir Putin, Presidente da Russia
O Presidente russo, Vladimir Putin, anunciou hoje que recebeu a sua segunda dose da vacina contra a covid-19, três semanas após receber a primeira dose.

"Agora, mesmo antes de entrar neste salão, recebi a segunda dose. Espero que tudo corra bem. Não só espero, como tenho a certeza de que tudo vai correr bem", disse Putin, à entrada para uma sessão na Sociedade Geográfica russa.

Putin tinha recebido a primeira dose da vacina contra a covid-19 em 23 de Março - tal como hoje, também fora do visor das câmaras - e o Kremlin (Presidência russa) não revelou qual das três tipologias aprovadas para uso na Rússia foi aplicada.

A vacinação do líder russo ocorre vários meses após o início da imunização generalizada contra a covid-19 na Rússia - um atraso que intrigou muitas pessoas, com alguns críticos do regime a dizer que a demora de Putin estava a contribuir para a já existente hesitação pública sobre a vacina.

As autoridades russas deram aprovação regulatória para três vacinas desenvolvidas internamente - Sputnik V, EpiVacCorona e CoviVac.

Todos as três receberam autorização antes de concluírem a fase final de testes, que noutros países é considerada essencial para garantir a sua segurança e eficácia.

No entanto, um estudo publicado em Fevereiro no jornal médico britânico Lancet mostrou que a Sputnik V é 91 por cento eficaz e parece evitar que indivíduos inoculados fiquem gravemente doentes com covid-19, embora ainda não seja claro se a vacina pode prevenir a propagação da doença.

Sobre as duas outras vacinas russas, ainda não foram divulgados dados sobre a sua eficácia e segurança.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.961.387 mortos no mundo, resultantes de mais de 137,4 milhões de casos de infecção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detectado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

 

"Agora, mesmo antes de entrar neste salão, recebi a segunda dose. Espero que tudo corra bem. Não só espero, como tenho a certeza de que tudo vai correr bem", disse Putin, à entrada para uma sessão na Sociedade Geográfica russa.

Putin tinha recebido a primeira dose da vacina contra a covid-19 em 23 de Março - tal como hoje, também fora do visor das câmaras - e o Kremlin (Presidência russa) não revelou qual das três tipologias aprovadas para uso na Rússia foi aplicada.

A vacinação do líder russo ocorre vários meses após o início da imunização generalizada contra a covid-19 na Rússia - um atraso que intrigou muitas pessoas, com alguns críticos do regime a dizer que a demora de Putin estava a contribuir para a já existente hesitação pública sobre a vacina.

As autoridades russas deram aprovação regulatória para três vacinas desenvolvidas internamente - Sputnik V, EpiVacCorona e CoviVac.

Todos as três receberam autorização antes de concluírem a fase final de testes, que noutros países é considerada essencial para garantir a sua segurança e eficácia.

No entanto, um estudo publicado em Fevereiro no jornal médico britânico Lancet mostrou que a Sputnik V é 91 por cento eficaz e parece evitar que indivíduos inoculados fiquem gravemente doentes com covid-19, embora ainda não seja claro se a vacina pode prevenir a propagação da doença.

Sobre as duas outras vacinas russas, ainda não foram divulgados dados sobre a sua eficácia e segurança.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.961.387 mortos no mundo, resultantes de mais de 137,4 milhões de casos de infecção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detectado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.