Putin pede cooperação internacional na luta contra alterações climáticas

  • Vladimir Putin, Presidente da Russia
Moscovo - O presidente russo, Vladimir Putin, manifestou hoje apoio à luta mundial contra as alterações climáticas e apelou para uma cooperação internacional nesse sentido.

Falando na cimeira de líderes mundiais sobre o clima convocada pelo presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, que hoje (Dia da Terra) começou e que decorre de forma virtual, Putin disse que a Rússia está "genuinamente interessada" em galvanizar a cooperação internacional na busca de soluções eficazes no combate às alterações climáticas, mas também para outros desafios do planeta.

O presidente russo salientou que a cimeira, que junta quatro dezenas de chefes de Estado e de governo, mostra o quanto merecem preocupação as alterações climáticas, apelou para uma cooperação internacional eficaz na forma de monitorizar os volumes de emissões de gases nocivos para o planeta, e garantiu que o país está a cumprir as suas obrigações no combate às alterações climáticas.

Além de defender uma sólida cooperação internacional o presidente destacou os esforços da Rússia para controlar a emissão de gases com efeito de estufa, criando legislação que vai nesse sentido e incentivando a redução de emissões.

As emissões de gases com efeito de estufa, na Rússia, caíram para metade desde 1990 (de 3,1 mil milhões de toneladas de dióxido de carbono para 1,6 mil milhões) através de mudanças na indústria e na produção de energia, actualmente com 45% da energia a vir de fontes de emissões reduzidas (graças à energia nuclear), disse.

Vladimir Putin assinalou que o seu país está disponível para cooperar em projetos conjuntos e a aceitar colaborações, com "benefícios" para empresas estrangeiras que invistam na investigação científica e tecnologias limpas na Rússia.

E garantiu que a Rússia está empenhada em "reduzir significativamente" as emissões de dióxido de carbono, falando de um "objectivo ambicioso" para 2050, ainda que sem quantificar.

Falando na cimeira de líderes mundiais sobre o clima convocada pelo presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, que hoje (Dia da Terra) começou e que decorre de forma virtual, Putin disse que a Rússia está "genuinamente interessada" em galvanizar a cooperação internacional na busca de soluções eficazes no combate às alterações climáticas, mas também para outros desafios do planeta.

O presidente russo salientou que a cimeira, que junta quatro dezenas de chefes de Estado e de governo, mostra o quanto merecem preocupação as alterações climáticas, apelou para uma cooperação internacional eficaz na forma de monitorizar os volumes de emissões de gases nocivos para o planeta, e garantiu que o país está a cumprir as suas obrigações no combate às alterações climáticas.

Além de defender uma sólida cooperação internacional o presidente destacou os esforços da Rússia para controlar a emissão de gases com efeito de estufa, criando legislação que vai nesse sentido e incentivando a redução de emissões.

As emissões de gases com efeito de estufa, na Rússia, caíram para metade desde 1990 (de 3,1 mil milhões de toneladas de dióxido de carbono para 1,6 mil milhões) através de mudanças na indústria e na produção de energia, actualmente com 45% da energia a vir de fontes de emissões reduzidas (graças à energia nuclear), disse.

Vladimir Putin assinalou que o seu país está disponível para cooperar em projetos conjuntos e a aceitar colaborações, com "benefícios" para empresas estrangeiras que invistam na investigação científica e tecnologias limpas na Rússia.

E garantiu que a Rússia está empenhada em "reduzir significativamente" as emissões de dióxido de carbono, falando de um "objectivo ambicioso" para 2050, ainda que sem quantificar.