Regulador europeu inicia avaliação de vacina chinesa da Sinovac

  • Vacina contra a Covid-19
Haia - A Agência Europeia de Medicamentos iniciou hoje uma revisão contínua da vacina contra a covid-19 "Vero Cell", desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac, e analisará em tempo real se cumpre os padrões europeus de segurança, eficácia e qualidade.

Só depois a EMA (na sigla em inglês), decidirá se aprova a utilização da vacina na União Europeia.

Em comunicado, o regulador refere que iniciou esta revisão com base nos "resultados preliminares dos estudos de laboratório e ensaios clínicos" que sugerem que a vacina desencadeia a "produção de anticorpos" que se dirigem contra o SARS-CoV-2, o vírus que provoca a covid-19.

O laboratório europeu que solicitou à EMA o estudo da vacina "Vero Cell Inactivated" chama-se "Life'On S.r.l", apesar de o preparado ser propriedade da Sinovac Life Sciences Co., uma farmacêutica com sede na China.

A EMA anunciou ainda que vai avaliar os dados à medida que forem estando disponíveis para decidir se os benefícios superam os riscos.

"A revisão contínua vai continuar até existirem provas suficientes para uma autorização formal de mercado", lê-se no documento da entidade europeia.

Espera-se que a vacina prepare o corpo para se defender da infecção por SARS-CoV-2.

A vacina contém SARS-CoV-2 que foi inactivado (morto) e não pode causar a doença. Contém também uma substância que ajuda a fortalecer a imunização.

Quando uma pessoa recebe a vacina, o sistema imunitário identifica o vírus inactivado como estranho e cria anticorpos contra ele. Se mais tarde a pessoa vacinada entrar em contacto com o SARS-CoV-2, o sistema imunitário vai reconhecer o vírus e preparar-se para defender o corpo contra a infecção, explica a EMA.

Só depois a EMA (na sigla em inglês), decidirá se aprova a utilização da vacina na União Europeia.

Em comunicado, o regulador refere que iniciou esta revisão com base nos "resultados preliminares dos estudos de laboratório e ensaios clínicos" que sugerem que a vacina desencadeia a "produção de anticorpos" que se dirigem contra o SARS-CoV-2, o vírus que provoca a covid-19.

O laboratório europeu que solicitou à EMA o estudo da vacina "Vero Cell Inactivated" chama-se "Life'On S.r.l", apesar de o preparado ser propriedade da Sinovac Life Sciences Co., uma farmacêutica com sede na China.

A EMA anunciou ainda que vai avaliar os dados à medida que forem estando disponíveis para decidir se os benefícios superam os riscos.

"A revisão contínua vai continuar até existirem provas suficientes para uma autorização formal de mercado", lê-se no documento da entidade europeia.

Espera-se que a vacina prepare o corpo para se defender da infecção por SARS-CoV-2.

A vacina contém SARS-CoV-2 que foi inactivado (morto) e não pode causar a doença. Contém também uma substância que ajuda a fortalecer a imunização.

Quando uma pessoa recebe a vacina, o sistema imunitário identifica o vírus inactivado como estranho e cria anticorpos contra ele. Se mais tarde a pessoa vacinada entrar em contacto com o SARS-CoV-2, o sistema imunitário vai reconhecer o vírus e preparar-se para defender o corpo contra a infecção, explica a EMA.