Resistência de Mianmar anuncia estratégia de "guerra popular defensiva" para combater militares

Moscovo - O Governo de Unidade Nacional (NUG, na sigla em inglês) de Mianmar lançou uma "guerra popular defensiva" contra os militares, que assumiram o controlo do país após um golpe de Estado no dia 1º de Fevereiro, segundo o Myanmar Now.

  • Em pronunciamento feito hoje (7), o presidente da resistência mianmarense apela a população a combater e informar sobre actividades militares. Departamentos civis e escritórios sob o conselho militar foram fechados por tempo indeterminado.

Através do presidente em exercício, Duwa Lashi La, o NUG convocou o povo à "revolta contra o domínio dos terroristas militaes".

O mandatário também pediu à Força de Defesa do Povo (PDF, na sigla em inglês) do NUG para atingir "todos os pilares do mecanismo de governo da junta", bem como proteger as vidas do povo de Mianmar para seguir ordens e se comportar de acordo com o código de conduta da PDF.

"Esta revolução é uma revolução justa e é necessária para construir uma união federal com paz sustentável", disse Duwa Lashi La no discurso. 

Ao mesmo tempo, o presidente instou as organizações armadas étnicas a atacarem as forças militares de todas as maneiras possíveis e a manter o controlo sobre seus territórios.

Os mianmarenses foram advertidos a não realizar viagens desnecessárias, estocar alimentos e suprimentos médicos e ajudar a PDF e as forças de resistência civis, informando-as de catividades militares, segundo a mídia.

O Myanmar Now relata que um funcionário do NUG, sob condição de anonimato, disse que a guerra de resistência contra a junta passará de ataques de estilo guerrilheiro a uma guerra mais convencional com a colaboração do público.

Também nesta terça-feira, o primeiro-ministro do NUG, Mahn Win Khaing Than, anunciou que a partir de hoje todos os departamentos civis e escritórios sob o conselho militar – onde muitos dos trabalhadores continuam em greve em desafio à junta – seriam fechados indefinidamente.

"A revolução pública começou hoje. Exorto todas as pessoas do país a participarem tanto quanto puderem, a fim de erradicar a ditadura militar que governa o nosso país há anos", disse Yee Mon, ministro da Defesa do NUG.

De acordo com a mídia, a junta militar que tomou o poder no início de Fevereiro já assassinou mais de 1.000 civis e prendeu vários milhares após o golpe. 

Os cidadãos comuns responderam pegando em armas e empreendendo ataques de guerrilha direccionados contra os militares, sua infraestrutura e indivíduos considerados colaboradores do actual governo. 

Embora o Ministério da Defesa do NUG não tenha revelado quantos combatentes da resistência estão na PDF, acredita-se que sejam vários milhares.

Não está claro como o PDF lutará contra os muilitrares que, de acordo com o Instituto Internacional de Estudos Estratégicos com sede em Londres, é o décimo primeiro maior Exército profissional do mundo, com mais de 400.000 soldados na activa desde 2019.

  • Em pronunciamento feito hoje (7), o presidente da resistência mianmarense apela a população a combater e informar sobre actividades militares. Departamentos civis e escritórios sob o conselho militar foram fechados por tempo indeterminado.

Através do presidente em exercício, Duwa Lashi La, o NUG convocou o povo à "revolta contra o domínio dos terroristas militaes".

O mandatário também pediu à Força de Defesa do Povo (PDF, na sigla em inglês) do NUG para atingir "todos os pilares do mecanismo de governo da junta", bem como proteger as vidas do povo de Mianmar para seguir ordens e se comportar de acordo com o código de conduta da PDF.

"Esta revolução é uma revolução justa e é necessária para construir uma união federal com paz sustentável", disse Duwa Lashi La no discurso. 

Ao mesmo tempo, o presidente instou as organizações armadas étnicas a atacarem as forças militares de todas as maneiras possíveis e a manter o controlo sobre seus territórios.

Os mianmarenses foram advertidos a não realizar viagens desnecessárias, estocar alimentos e suprimentos médicos e ajudar a PDF e as forças de resistência civis, informando-as de catividades militares, segundo a mídia.

O Myanmar Now relata que um funcionário do NUG, sob condição de anonimato, disse que a guerra de resistência contra a junta passará de ataques de estilo guerrilheiro a uma guerra mais convencional com a colaboração do público.

Também nesta terça-feira, o primeiro-ministro do NUG, Mahn Win Khaing Than, anunciou que a partir de hoje todos os departamentos civis e escritórios sob o conselho militar – onde muitos dos trabalhadores continuam em greve em desafio à junta – seriam fechados indefinidamente.

"A revolução pública começou hoje. Exorto todas as pessoas do país a participarem tanto quanto puderem, a fim de erradicar a ditadura militar que governa o nosso país há anos", disse Yee Mon, ministro da Defesa do NUG.

De acordo com a mídia, a junta militar que tomou o poder no início de Fevereiro já assassinou mais de 1.000 civis e prendeu vários milhares após o golpe. 

Os cidadãos comuns responderam pegando em armas e empreendendo ataques de guerrilha direccionados contra os militares, sua infraestrutura e indivíduos considerados colaboradores do actual governo. 

Embora o Ministério da Defesa do NUG não tenha revelado quantos combatentes da resistência estão na PDF, acredita-se que sejam vários milhares.

Não está claro como o PDF lutará contra os muilitrares que, de acordo com o Instituto Internacional de Estudos Estratégicos com sede em Londres, é o décimo primeiro maior Exército profissional do mundo, com mais de 400.000 soldados na activa desde 2019.