Revelada doença que torna organismo vulnerável à covid-19

  • Ilustração do Covid-19
Washington - Os pacientes com problemas na secção superior do trato gastrointestinal podem ser vulneráveis ao coronavírus, segundo um estudo publicado na revista Gastroenterology.

Os cientistas da Universidade Washington em St. Louis (EUA) acreditam que os produtos alimentares durante a pandemia eram considerados seguros, uma vez que, mesmo que haja vírus na superfície deles, o ácido estomacal neutraliza-os.

No entanto, em pacientes com a doença de refluxo gastroesofágico (DRGE, na sigla em inglês) o ácido do estómago regressa ao esófago, causando azia e danificando a mucosa deste.

"Com o tempo, em alguns pacientes com esse problema as células do esófago alteram-se e começam a ficar parecidas às células intestinais. Estas possuem receptores que são capazes de se ligar ao coronavírus", notaram os cientistas.

A doença de refluxo gastroesofágico é uma doença crónica recorrente causada por desordem da função evacuadora dos órgãos da área gastroesofágica e caracteriza-se por repetida penetração no esófago do conteúdo do estômago e, por vezes, do duodeno, o que leva ao surgimento de sintomas clínicos que pioram a qualidade de vida dos pacientes.

Os cientistas da Universidade Washington em St. Louis (EUA) acreditam que os produtos alimentares durante a pandemia eram considerados seguros, uma vez que, mesmo que haja vírus na superfície deles, o ácido estomacal neutraliza-os.

No entanto, em pacientes com a doença de refluxo gastroesofágico (DRGE, na sigla em inglês) o ácido do estómago regressa ao esófago, causando azia e danificando a mucosa deste.

"Com o tempo, em alguns pacientes com esse problema as células do esófago alteram-se e começam a ficar parecidas às células intestinais. Estas possuem receptores que são capazes de se ligar ao coronavírus", notaram os cientistas.

A doença de refluxo gastroesofágico é uma doença crónica recorrente causada por desordem da função evacuadora dos órgãos da área gastroesofágica e caracteriza-se por repetida penetração no esófago do conteúdo do estômago e, por vezes, do duodeno, o que leva ao surgimento de sintomas clínicos que pioram a qualidade de vida dos pacientes.