Rússia anuncia nova reunião da "troika ampliada" no Paquistão

Moscovo - A "troika ampliada" que tenta soluções para a crise afegã prevê reunir-se em Islamabad na segunda quinzena de Novembro, anunciou hoje o representante especial do presidente russo para o Afeganistão, Zamir Kabulov.

"Os nossos colegas paquistaneses propuseram a realização em Islamabad de uma reunião da 'troika ampliada' na segunda quinzena de Novembro", disse o diplomata russo durante uma conferência de imprensa realizada através de meios remotos.


Este grupo de países é actualmente constituído pela Rússia, Estados Unidos, Paquistão e República Popular da China.   
Zamir Kabulov disse ainda que o novo representante dos Estados Unidos, Thomas West, comunicou que espera uma data precisa, admitindo que vai participar no encontro.  


"Nessa reunião temos previsto o debate de assuntos práticos concretos", disse Kabulov assinalando o trabalho conjunto com as Nações Unidas, que convocou uma conferência de doadores.


O representante especial do Kremlin disse ainda que o principal resultado da reunião que decorreu no passado dia 20 de Outubro, do chamado "Formato de Moscovo" foi a "posição comum" dos países vizinhos do Afeganistão e da região sobre o que "se espera" das novas autoridades de Cabul.


"Assim, (as expectativas) incluem a luta contra o terrorismo e o tráfico de drogas, um carácter mais inclusivo do novo governo afegão e o respeito pelas normas humanitárias básicas", sublinhou.


Na reunião do grupo "Formato de Moscovo" participaram representantes da Rússia, Índia, Irão, Paquistão, República Popular da China, Uzbequistão, Turquemenistão, Tajiquistão e Cazaquistão, além da delegação dos talibãs (Emirato Islâmico).  


De acordo com Kabulov, "quase todos" os participantes da reunião expressaram disposição para "examinarem de forma séria" o reconhecimento do governo provisório dos talibãs, mas esperam reacções positivas de Cabul sobre as preocupações expostas pelos vários países.


As principais preocupações, disse, referem-se ao terrorismo e ao tráfico de estupefacientes e a "não utilização" do território afegão como forma de ameaça à segurança dos países vizinhos e de outros Estados.   

 

 

"Os nossos colegas paquistaneses propuseram a realização em Islamabad de uma reunião da 'troika ampliada' na segunda quinzena de Novembro", disse o diplomata russo durante uma conferência de imprensa realizada através de meios remotos.


Este grupo de países é actualmente constituído pela Rússia, Estados Unidos, Paquistão e República Popular da China.   
Zamir Kabulov disse ainda que o novo representante dos Estados Unidos, Thomas West, comunicou que espera uma data precisa, admitindo que vai participar no encontro.  


"Nessa reunião temos previsto o debate de assuntos práticos concretos", disse Kabulov assinalando o trabalho conjunto com as Nações Unidas, que convocou uma conferência de doadores.


O representante especial do Kremlin disse ainda que o principal resultado da reunião que decorreu no passado dia 20 de Outubro, do chamado "Formato de Moscovo" foi a "posição comum" dos países vizinhos do Afeganistão e da região sobre o que "se espera" das novas autoridades de Cabul.


"Assim, (as expectativas) incluem a luta contra o terrorismo e o tráfico de drogas, um carácter mais inclusivo do novo governo afegão e o respeito pelas normas humanitárias básicas", sublinhou.


Na reunião do grupo "Formato de Moscovo" participaram representantes da Rússia, Índia, Irão, Paquistão, República Popular da China, Uzbequistão, Turquemenistão, Tajiquistão e Cazaquistão, além da delegação dos talibãs (Emirato Islâmico).  


De acordo com Kabulov, "quase todos" os participantes da reunião expressaram disposição para "examinarem de forma séria" o reconhecimento do governo provisório dos talibãs, mas esperam reacções positivas de Cabul sobre as preocupações expostas pelos vários países.


As principais preocupações, disse, referem-se ao terrorismo e ao tráfico de estupefacientes e a "não utilização" do território afegão como forma de ameaça à segurança dos países vizinhos e de outros Estados.