Rússia anuncia teste bem-sucedido de mísseis do sistema S-500

  • Vladimir Putin, Presidente da Rússia
Moscovo - A Rússia anunciou hoje que testou com sucesso o novo sistema de defesa antiaérea S-500, formado por mísseis de última geração desenvolvidos nos últimos anos, num momento em que enfrenta tensões com o Ocidente.

"O novo sistema S-500 efectuou exercícios de tiro num alvo balístico em alta velocidade", anunciou o ministério russo da Defesa, em comunicado.

"O objectivo foi alcançado", afirma o Exército russo, que divulgou, pela primeira vez, imagens do S-500 em acção.

Segundo a mesma fonte, o S-500 será instalado numa unidade da região de Moscovo, quando todos os testes em curso estiverem concluídos.

Com alcance máximo de 600 km, a Rússia garante que os S-500s "não têm sistema equivalente no mundo".

Esta nova linha vai substituir os sistemas S-400, que continuam a ser muito avançados tecnologicamente e que foram recentemente vendidos pela Rússia para países como a Turquia. A transacção causou protestos da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) e dos Estados Unidos.

No início de Julho, o comandante das forças aeroespaciais russas, Serguei Surovikin, explicou que os S-500s podem "destruir mísseis de médio alcance e, se necessário, mísseis intercontinentais no último trecho da sua trajetória".

Os S-500 "também podem destruir mísseis hipersónicos", disse Surovikin ao jornal do Exército russo, o Krasnaya Zvezda.

Num contexto de tensões com os países ocidentais, a Rússia multiplicou, nos últimos anos, o desenvolvimento de novas armas.

Na segunda-feira, Moscovo anunciou o bem-sucedido teste do míssil hipersónico Zircon, parte da gama de armas "invencíveis" promovida pelo presidente Vladimir Putin.

Putin deve visitar hoje o salão aeronáutico MASK-2021, perto de Moscovo, onde um novo caça russo será apresentado.

"O novo sistema S-500 efectuou exercícios de tiro num alvo balístico em alta velocidade", anunciou o ministério russo da Defesa, em comunicado.

"O objectivo foi alcançado", afirma o Exército russo, que divulgou, pela primeira vez, imagens do S-500 em acção.

Segundo a mesma fonte, o S-500 será instalado numa unidade da região de Moscovo, quando todos os testes em curso estiverem concluídos.

Com alcance máximo de 600 km, a Rússia garante que os S-500s "não têm sistema equivalente no mundo".

Esta nova linha vai substituir os sistemas S-400, que continuam a ser muito avançados tecnologicamente e que foram recentemente vendidos pela Rússia para países como a Turquia. A transacção causou protestos da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) e dos Estados Unidos.

No início de Julho, o comandante das forças aeroespaciais russas, Serguei Surovikin, explicou que os S-500s podem "destruir mísseis de médio alcance e, se necessário, mísseis intercontinentais no último trecho da sua trajetória".

Os S-500 "também podem destruir mísseis hipersónicos", disse Surovikin ao jornal do Exército russo, o Krasnaya Zvezda.

Num contexto de tensões com os países ocidentais, a Rússia multiplicou, nos últimos anos, o desenvolvimento de novas armas.

Na segunda-feira, Moscovo anunciou o bem-sucedido teste do míssil hipersónico Zircon, parte da gama de armas "invencíveis" promovida pelo presidente Vladimir Putin.

Putin deve visitar hoje o salão aeronáutico MASK-2021, perto de Moscovo, onde um novo caça russo será apresentado.