Saturno muda de cor conforme estações do ano - estudo

Califórnia - Os cientistas descobriram, através do Telescópio Hubble, uma ligeira mudança de cor de ano para ano no planeta Saturno, possivelmente causada pela altura das nuvens e ventos, indicou a agência espacial norte-americana NASA.

Os novos dados do Hubble mostram que de 2018 a 2020 o equador de Saturno ficou 5% a 10% mais brilhante e os ventos mudaram ligeiramente. As observações fazem parte do programa Legado de Atmosferas de Planetas Externos (OPAL, na sigla em inglês) do Hubble e as descobertas foram publicadas no Planetary Science Journal.

"Essas pequenas mudanças anuais nas faixas de cores de Saturno são fascinantes", disse Amy Simon, cientista planetária do Centro Goddard de Voo Espacial da NASA.

Saturno é o sexto planeta de nosso sistema, orbita a uma distância de cerca de 1,4 biliões de quilómetros do Sol e leva 29 anos terrestres para dar a volta ao Sol, fazendo com que cada estação em Saturno tenha mais de sete anos terrestres.

A Terra é inclinada em relação ao Sol, o que altera a quantidade de luz solar que cada hemisfério recebe à medida que o planeta se move na sua órbita. Essa variação na energia solar é o que impulsiona as mudanças sazonais. Saturno também está inclinado, de modo que a mudança na luz solar pode estar a causar algumas das alterações atmosféricas observadas, conforme as estações variam.

"À medida que Saturno se move em direcção ao outono no seu hemisfério norte, vemos as regiões polares e equatoriais mudando, mas também vemos que a atmosfera varia em escalas de tempo muito mais curtas", prossegue a cientista.

Em 2018, os ventos medidos perto do equador eram de cerca de 1.600 quilómetros por hora, superiores aos medidos pela espaçonave Cassini da NASA durante 2004-2009, quando eram cerca de 1.300 quilómetros por hora. Entre 2019 e 2020, estes diminuíram de volta para as velocidades da Cassini.

Os ventos de Saturno também variam em altitude, então a mudança nas velocidades medidas pode significar que as nuvens em 2018 estavam cerca de 60 quilómetros mais fundo do que as medidas durante a missão Cassini.

Os novos dados do Hubble mostram que de 2018 a 2020 o equador de Saturno ficou 5% a 10% mais brilhante e os ventos mudaram ligeiramente. As observações fazem parte do programa Legado de Atmosferas de Planetas Externos (OPAL, na sigla em inglês) do Hubble e as descobertas foram publicadas no Planetary Science Journal.

"Essas pequenas mudanças anuais nas faixas de cores de Saturno são fascinantes", disse Amy Simon, cientista planetária do Centro Goddard de Voo Espacial da NASA.

Saturno é o sexto planeta de nosso sistema, orbita a uma distância de cerca de 1,4 biliões de quilómetros do Sol e leva 29 anos terrestres para dar a volta ao Sol, fazendo com que cada estação em Saturno tenha mais de sete anos terrestres.

A Terra é inclinada em relação ao Sol, o que altera a quantidade de luz solar que cada hemisfério recebe à medida que o planeta se move na sua órbita. Essa variação na energia solar é o que impulsiona as mudanças sazonais. Saturno também está inclinado, de modo que a mudança na luz solar pode estar a causar algumas das alterações atmosféricas observadas, conforme as estações variam.

"À medida que Saturno se move em direcção ao outono no seu hemisfério norte, vemos as regiões polares e equatoriais mudando, mas também vemos que a atmosfera varia em escalas de tempo muito mais curtas", prossegue a cientista.

Em 2018, os ventos medidos perto do equador eram de cerca de 1.600 quilómetros por hora, superiores aos medidos pela espaçonave Cassini da NASA durante 2004-2009, quando eram cerca de 1.300 quilómetros por hora. Entre 2019 e 2020, estes diminuíram de volta para as velocidades da Cassini.

Os ventos de Saturno também variam em altitude, então a mudança nas velocidades medidas pode significar que as nuvens em 2018 estavam cerca de 60 quilómetros mais fundo do que as medidas durante a missão Cassini.