Seul fecha acordo para produzir 150 milhões de doses da vacina russa Sputnik V por ano

Moscovo - O Fundo Russo de Investimentos Directos (RFPI, na sigla em russo) e a farmacêutica sul-coreana GL Rapha fecharam acordo para produção, na Coreia do Sul, de 150 milhões de doses anuais da Sputnik V.

Desta forma, a produção da vacina russa contra o coronavírus SARS-CoV-2 ganhou mais um país parceiro para a produção do imunizante, como publicado no Twitter da vacina russa.

O RFPI e líder farmacêutica da Coreia do Sul GL Rapha concordaram em produzir mais de 150 milhões de doses da vacina Sputnik V por ano na Coreia do Sul.

Da mesma forma, os lados do acordo pretendem iniciar a produção do medicamento já no próximo mês e começar a sua exportação em Janeiro de 2021.

Em comunicado, o director-geral do RFPI, Kirill Dmitriev, disse:

"Agora é necessário desenvolver a cooperação internacional e parceria para garantir a quantidade suficiente da vacina Sputnik V e satisfazer a demanda internacional. Agradecemos aos parceiros da GL Rapha pela cooperação e união de esforços."

A vacina russa, cuja eficiência contra o coronavírus já foi comprovada por testes clínicos em milhares de voluntários, foi a primeira vacina a ser registada no mundo contra a COVID-19.

Diversos países no mundo interessaram-se pelo medicamento e fecharam acordos tanto para a sua aquisição como produção.

Os acordos já fechados permitirão a produção de 500 milhões de doses fora da Rússia anualmente.

Actualmente, testes clínicos também estão a ser realizados na Bielorrússia, Emirados Árabes Unidos, Índia e no Brasil.

Desta forma, a produção da vacina russa contra o coronavírus SARS-CoV-2 ganhou mais um país parceiro para a produção do imunizante, como publicado no Twitter da vacina russa.

O RFPI e líder farmacêutica da Coreia do Sul GL Rapha concordaram em produzir mais de 150 milhões de doses da vacina Sputnik V por ano na Coreia do Sul.

Da mesma forma, os lados do acordo pretendem iniciar a produção do medicamento já no próximo mês e começar a sua exportação em Janeiro de 2021.

Em comunicado, o director-geral do RFPI, Kirill Dmitriev, disse:

"Agora é necessário desenvolver a cooperação internacional e parceria para garantir a quantidade suficiente da vacina Sputnik V e satisfazer a demanda internacional. Agradecemos aos parceiros da GL Rapha pela cooperação e união de esforços."

A vacina russa, cuja eficiência contra o coronavírus já foi comprovada por testes clínicos em milhares de voluntários, foi a primeira vacina a ser registada no mundo contra a COVID-19.

Diversos países no mundo interessaram-se pelo medicamento e fecharam acordos tanto para a sua aquisição como produção.

Os acordos já fechados permitirão a produção de 500 milhões de doses fora da Rússia anualmente.

Actualmente, testes clínicos também estão a ser realizados na Bielorrússia, Emirados Árabes Unidos, Índia e no Brasil.