Tiroteio perto de centro de vacinação em Paris faz um morto

Paris - Um tiroteio numa rua no bairro 16 da capital francesa causou a morte de um segurança do hospital Henry Dunant e ferimentos muito graves numa utente.

Segundo testemunhas, um homem numa mota disparou sete tiros contra várias pessoas junto a um hospital e a um centro de vacinação.

"Uma pessoa morreu e há uma gravemente ferida", disseram os bombeiros.

Para já, as autoridades desconhecem a identidade e a motivação do atirador, que se encontra em fuga.

A zona onde ocorreu o tiroteio está isolada pelas forças de segurança. A investigação está nas mãos da Polícia Judiciária.

O presidente da câmara de Paris já afirmou que não se tratou de um ataque terrorista.

As imagens das muitas câmaras de vigilância estão a ser analisadas, revelou fonte do Ministério do Interior à RTP.

O hospital de Henry Dunant é administrado pela Cruz Vermelha Francesa. A instalação que é um centro de geriatria está actualmente a funcionar como centro de vacinação contra a Covid-19.

O 16º bairro de Paris é um dos mais privilegiados da capital e há três meses assistiu a um confronto entre grupos rivais, como recorda a correspondente da RTP, Rosário Salgueiro.

Segundo testemunhas, um homem numa mota disparou sete tiros contra várias pessoas junto a um hospital e a um centro de vacinação.

"Uma pessoa morreu e há uma gravemente ferida", disseram os bombeiros.

Para já, as autoridades desconhecem a identidade e a motivação do atirador, que se encontra em fuga.

A zona onde ocorreu o tiroteio está isolada pelas forças de segurança. A investigação está nas mãos da Polícia Judiciária.

O presidente da câmara de Paris já afirmou que não se tratou de um ataque terrorista.

As imagens das muitas câmaras de vigilância estão a ser analisadas, revelou fonte do Ministério do Interior à RTP.

O hospital de Henry Dunant é administrado pela Cruz Vermelha Francesa. A instalação que é um centro de geriatria está actualmente a funcionar como centro de vacinação contra a Covid-19.

O 16º bairro de Paris é um dos mais privilegiados da capital e há três meses assistiu a um confronto entre grupos rivais, como recorda a correspondente da RTP, Rosário Salgueiro.