Trump avisa que sobrevivência dos EUA depende de vitória republicana

  • Donald Trump, Presidente Cessante dos EUA
Washington - O ex-Presidente dos Estados Unidos Donald Trump avisou, no sábado, que "a sobrevivência da América" depende de uma vitória republicana nas eleições legislativas do próximo ano.

No primeiro discurso televisivo em meses, proferido na convenção do Partido Republicano, na Carolina do Norte, Trump usou a mesma música da campanha das presidenciais de 2020, mas o tom perante mais de um milhar de pessoas foi mais contido do que o usado nos comícios.

"A sobrevivência da América depende da nossa capacidade de eleger republicanos a todos os níveis, começando em meados do próximo ano", disse.

Trump destacou os "níveis recorde" da imigração ilegal, as empresas norte-americanas "a serem saqueadas por ciberataques estrangeiros", a subida dos preços do gás sob a administração do sucessor democrata, Joe Biden.

"A América é desprezada e humilhada na cena mundial", curvando-se "à China", acusou.

Na intervenção, que durou cerca de uma hora e meia, em Greenville, no sudeste dos Estados Unidos, o bilionário de 74 anos voltou a tocar na ideia de uma nova candidatura em 2024, ano que disse aguardar "com expetativa", e repetiu as denúncias infundadas de fraude eleitoral maciça nas presidenciais de novembro de 2020, que vão ficar "na história como o maior crime do século".

Quase cinco meses depois de ter deixado a Casa Branca, Trump ainda não reconheceu explicitamente a vitória de Biden.

Banido das redes sociais desde o ataque mortal ao Capitólio, em 06 de janeiro por apoiantes, que denunciaram "o roubo" nas eleições, o bilionário foi acusado pela Câmara dos Representantes de "incitar à insurreição", mas foi absolvido no Senado, em fevereiro, devido aos votos insuficientes dos republicanos, no final de um segundo processo de destituição.

Trump abordou outros tópicos como a defesa do direito de porte de armas, a alegada "doutrinação" de crianças nas escolas públicas em debates sobre o racismo, tema o que desencadeou aplausos na audiência.

No entanto, o público ficou em silêncio quando Trump disse estar "muito orgulhoso" por ter comprado "milhares de milhões de dólares" da vacina contra a covid-19 "mesmo antes de se saber que funcionava". "Salvámos milhões e milhões de vidas", afirmou, sem obter resposta da audiência.

Os Estados Unidos estão a aproximar-se das 600 mil mortes desde o início da pandemia da covid-19 e são o país com maior número de óbitos e de casos da doença no mundo.

No primeiro discurso televisivo em meses, proferido na convenção do Partido Republicano, na Carolina do Norte, Trump usou a mesma música da campanha das presidenciais de 2020, mas o tom perante mais de um milhar de pessoas foi mais contido do que o usado nos comícios.

"A sobrevivência da América depende da nossa capacidade de eleger republicanos a todos os níveis, começando em meados do próximo ano", disse.

Trump destacou os "níveis recorde" da imigração ilegal, as empresas norte-americanas "a serem saqueadas por ciberataques estrangeiros", a subida dos preços do gás sob a administração do sucessor democrata, Joe Biden.

"A América é desprezada e humilhada na cena mundial", curvando-se "à China", acusou.

Na intervenção, que durou cerca de uma hora e meia, em Greenville, no sudeste dos Estados Unidos, o bilionário de 74 anos voltou a tocar na ideia de uma nova candidatura em 2024, ano que disse aguardar "com expetativa", e repetiu as denúncias infundadas de fraude eleitoral maciça nas presidenciais de novembro de 2020, que vão ficar "na história como o maior crime do século".

Quase cinco meses depois de ter deixado a Casa Branca, Trump ainda não reconheceu explicitamente a vitória de Biden.

Banido das redes sociais desde o ataque mortal ao Capitólio, em 06 de janeiro por apoiantes, que denunciaram "o roubo" nas eleições, o bilionário foi acusado pela Câmara dos Representantes de "incitar à insurreição", mas foi absolvido no Senado, em fevereiro, devido aos votos insuficientes dos republicanos, no final de um segundo processo de destituição.

Trump abordou outros tópicos como a defesa do direito de porte de armas, a alegada "doutrinação" de crianças nas escolas públicas em debates sobre o racismo, tema o que desencadeou aplausos na audiência.

No entanto, o público ficou em silêncio quando Trump disse estar "muito orgulhoso" por ter comprado "milhares de milhões de dólares" da vacina contra a covid-19 "mesmo antes de se saber que funcionava". "Salvámos milhões e milhões de vidas", afirmou, sem obter resposta da audiência.

Os Estados Unidos estão a aproximar-se das 600 mil mortes desde o início da pandemia da covid-19 e são o país com maior número de óbitos e de casos da doença no mundo.