Angola assume presidência da CIRGL pela segunda vez

  • Delegação angolana participa na 8ª Cimeira Ordinária dos Chefes de Estado e de Governo da Região dos Grandes Lagos
  • Presidente da República, João Lourenço, participa na 8ª Cimeira Ordinária dos Chefes de Estado e de Governo da Região dos Grandes Lagos
Luanda – Angola foi eleita, nesta sexta-feira, para assumir, pela segunda vez, a presidência da Conferência Internacional sobre a Região dos Grandes Lagos (CIRGL).

A eleição de Angola aconteceu durante a 8ª Cimeira Ordinária dos Chefes de Estado e de Governo da CIRGL que decorreu, por videoconferência, a partir da República do Congo, com a participação do Presidente João Lourenço.

Na ocasião, o Chefe de Estado angolano manifestou, em Luanda, a sua disponibilidade em trabalhar no reforço da cooperação com os Estados membros, para a erradicação dos grupos armados da região dos Grandes Lagos.

De acordo com o Presidente, a erradicação dos grupos armados ainda existentes em alguns países, visa fazer respeitar os acordos de paz concluídos na região, o levantamento das sanções impostas contra o Burundi, o embargo de armas contra a República Centro Africana, bem como trabalhar no combate à Covid-19.

Para João Lourenço, Angola assume a presidência da organização num momento marcado por inúmeros desafios, incluindo a pandemia da Covid-19, os conflitos que causam instabilidade, sem esquecer a luta comum para o desenvolvimento económico e social.

Angola, ressaltou o Estadista angolano, acredita que a resposta colectiva a estes desafios consiste na tomada de acções concretas para materializar a implementação do pacto sobre a segurança, a estabilidade e o desenvolvimento na região, fortalecendo a cooperação económica regional e o desenvolvimento.

“Pensamos, igualmente, que a implementação cabal do pacto dependerá dos meios que colocarmos à disposição do Secretariado Geral da CIRGL, pelo que a vontade política de todos constituirá o factor determinante”, sublinhou.

João Lourenço destacou que o país está disposto a fazer da Troika hoje escolhida, constituída pelo Sudão, Angola e Congo, um colectivo de apoio a todos os Estados membros.

O novo líder da CIRGL agradeceu os Chefes de Estado e seus representantes pela confiança em si depositada para presidir os destinos da organização nos próximos dois anos.

Felicitou o seu homólogo, Denis Sassou N´guesso, pela forma exemplar como liderou a Conferência Internacional nos últimos anos.

Felicitou igualmente o secretário executivo cessante, bem como o recém eleito, o angolano João Samuel Caholo.

A CIRGL foi criada com o objectivo de resolver questões de paz e segurança, após os conflitos políticos que marcaram a região, em 1994.

São membros da Conferência Internacional sobre a Região dos Grandes Lagos, além de Angola, o Burundi, a República Democrática do Congo, República Centro Africana, Rwanda, Sudão, Sudão do Sul, Tanzânia, Uganda, Zâmbia e República do Congo.

Angola substitui a República do Congo na presidência rotativa por dois anos.