Angola defende diálogo para garantir segurança na fronteira com a Namíbia

  • Terminal oceânico do Dande
Lubango - O comandante-geral da Policia Nacional de Angola, comissário-chefe Paulo de Almeida, advogou, hoje, quarta-feira, no Lubango (Huíla), a necessidade do reforço do diálogo permanente com a Namíbia, para salvaguarda da integridade da fronteira comum.

Oficial, que falava na abertura da 21ª Reunião Bilateral entre os ministérios do Interior de Angola e dos assuntos Internos, Migração, Protecção e Segurança da República da Namíbia, realçou que solução para os problemas, deve ser conjunta e as vias diplomáticas de ambas as partes continuam disponíveis.

Declarou que no encontro serão abordados “com profundidade” alguns incidentes que têm se registado ao longo da fronteira, manifestando preocupação com o desrespeito das normas migratórias por parte de cidadãos dos dois países.

“Repudiamos todos e qualquer tipo de crime transfronteiriço e do nosso registo tem sido frequente o roubo de gado, de viaturas, cabos eléctricos e abate indiscriminado da flora, bem como o contrabando de combustível, pedras preciosas e de moedas”, aludiu.

Neste quesito, explicou, as acções de combate desses males devem ser mais incisivas ao ponto de desencorajar tais práticas, pois há necessidade de se reabilitar e repor os marcos fronteiriços, de modo a se efectuar a abertura e definir o horário de funcionamento dos postos de fronteira entre o bico de Angola, Sussue, Bwabwata, Cheto e Mucusso Muchuangar.

Destacou, a intenção de se  institucionalizar  o posto de paragem única entre o posto de fronteira da Santa Clara, Oshicango, mantendo-se o funcionamento por 24 horas por  dia, mas precisa-se prestar maior atenção às questões penitenciárias.

Por sua vez, o inspector-geral da polícia na Namíbia, tenente-general Sebastian Nampol, afirmou que Angola pode contar com o apoio do seu país de forma a melhorar o bem-estar social dos seus povos, manifestando conviccção de que as relações existentes entre os dois Estados serão cada vez mais fortes.

Destacou que embora continuem a enfrentar crimes genéricos, incluindo a violação do regulamento da Covid-19, a situação de segurança na Namíbia está controlada, mas ainda assim as forças policiais e todos os seus parceiros se comprometem em envidar esforços no sentido de conter os crimes.

Referiu que os acordos de transferência de criminosos, assinados em Abril de 2018 na Namíbia, vão brevemente ser materializados, de forma a permitir que os mesmos possam servir as sentenças no seu país de origem.

 A imigração ilegal, o contrabando de mercadorias e o  roubo de gado bovino constam da agenda em abordagem no encontro, que encerra na sexta-feira.

 

 

Oficial, que falava na abertura da 21ª Reunião Bilateral entre os ministérios do Interior de Angola e dos assuntos Internos, Migração, Protecção e Segurança da República da Namíbia, realçou que solução para os problemas, deve ser conjunta e as vias diplomáticas de ambas as partes continuam disponíveis.

Declarou que no encontro serão abordados “com profundidade” alguns incidentes que têm se registado ao longo da fronteira, manifestando preocupação com o desrespeito das normas migratórias por parte de cidadãos dos dois países.

“Repudiamos todos e qualquer tipo de crime transfronteiriço e do nosso registo tem sido frequente o roubo de gado, de viaturas, cabos eléctricos e abate indiscriminado da flora, bem como o contrabando de combustível, pedras preciosas e de moedas”, aludiu.

Neste quesito, explicou, as acções de combate desses males devem ser mais incisivas ao ponto de desencorajar tais práticas, pois há necessidade de se reabilitar e repor os marcos fronteiriços, de modo a se efectuar a abertura e definir o horário de funcionamento dos postos de fronteira entre o bico de Angola, Sussue, Bwabwata, Cheto e Mucusso Muchuangar.

Destacou, a intenção de se  institucionalizar  o posto de paragem única entre o posto de fronteira da Santa Clara, Oshicango, mantendo-se o funcionamento por 24 horas por  dia, mas precisa-se prestar maior atenção às questões penitenciárias.

Por sua vez, o inspector-geral da polícia na Namíbia, tenente-general Sebastian Nampol, afirmou que Angola pode contar com o apoio do seu país de forma a melhorar o bem-estar social dos seus povos, manifestando conviccção de que as relações existentes entre os dois Estados serão cada vez mais fortes.

Destacou que embora continuem a enfrentar crimes genéricos, incluindo a violação do regulamento da Covid-19, a situação de segurança na Namíbia está controlada, mas ainda assim as forças policiais e todos os seus parceiros se comprometem em envidar esforços no sentido de conter os crimes.

Referiu que os acordos de transferência de criminosos, assinados em Abril de 2018 na Namíbia, vão brevemente ser materializados, de forma a permitir que os mesmos possam servir as sentenças no seu país de origem.

 A imigração ilegal, o contrabando de mercadorias e o  roubo de gado bovino constam da agenda em abordagem no encontro, que encerra na sexta-feira.