Angola recebe Sino da Paz

  • Ministra de Estado para Área Social, Carolina Cerqueira, descerra a placa do sino da paz, por si inaugurado.
Luanda – Angola recebeu, nesta sexta-feira, o Sino da Paz, tornando-se no primeiro país da África Austral a integrar o movimento do Sino da Paz Mundial iniciado em 1954, na sede da ONU, em Nova York.

A instalação do Sino da Paz, no Palácio da Justiça, na capital angolana, surge como reconhecimento das autoridades angolanas na causa da paz, da concórdia, solidariedade, amizade entre os povos e nações, propósito alinhado no Plano de Desenvolvimento Nacional 2018/2022 e na estratégia da boa governação e da cultura da paz seguido pelo Executivo angolano.

A propósito, a ministra de Estado para a Área Social, Carolina Cerqueira, afirmou que representa um orgulho para os angolanos e enraíza-se nos valores supremos da justiça e da reconciliação, constituindo um desafio para o reforço da coesão social e da edificação de uma sociedade mais justa, próspera, e democrática, padrões essenciais para a consolidação da paz e do desenvolvimento humano sustentável.

A ministra destacou o papel das mulheres e dos jovens na promoção dos valores da paz, chamando a atenção para se assegurar a preservação e a promoção da paz, tendo em conta o reforço da confiança e na convivência baseada no respeito mútuo e nos valores e práticas de uma cidadania consciente.

Por seu turno, a vice-presidente do Tribunal Constitucional, Guilhermina Prata, avançou que a instalação do Sino da Paz em Angola representa o compromisso do país para com a manutenção da paz, tendo como foco a promoção e preservação dos valores democráticos.

Guilhermina Prata destacou ainda o facto de se promover a harmonia, respeito pelos valores, a alegria da população e lembrar da necessidade da união entre os povos e nações.

O Sino da Paz é tradicionalmente tocado a 21 de Setembro, Dia Internacional da Paz, e 20 de Março, Dia da Terra.

A instalação do Sino da Paz, no Palácio da Justiça, na capital angolana, surge como reconhecimento das autoridades angolanas na causa da paz, da concórdia, solidariedade, amizade entre os povos e nações, propósito alinhado no Plano de Desenvolvimento Nacional 2018/2022 e na estratégia da boa governação e da cultura da paz seguido pelo Executivo angolano.

A propósito, a ministra de Estado para a Área Social, Carolina Cerqueira, afirmou que representa um orgulho para os angolanos e enraíza-se nos valores supremos da justiça e da reconciliação, constituindo um desafio para o reforço da coesão social e da edificação de uma sociedade mais justa, próspera, e democrática, padrões essenciais para a consolidação da paz e do desenvolvimento humano sustentável.

A ministra destacou o papel das mulheres e dos jovens na promoção dos valores da paz, chamando a atenção para se assegurar a preservação e a promoção da paz, tendo em conta o reforço da confiança e na convivência baseada no respeito mútuo e nos valores e práticas de uma cidadania consciente.

Por seu turno, a vice-presidente do Tribunal Constitucional, Guilhermina Prata, avançou que a instalação do Sino da Paz em Angola representa o compromisso do país para com a manutenção da paz, tendo como foco a promoção e preservação dos valores democráticos.

Guilhermina Prata destacou ainda o facto de se promover a harmonia, respeito pelos valores, a alegria da população e lembrar da necessidade da união entre os povos e nações.

O Sino da Paz é tradicionalmente tocado a 21 de Setembro, Dia Internacional da Paz, e 20 de Março, Dia da Terra.