Angolanos exaltam feitos dos antigos combatentes

  • Antigos Combatentes
ANGOLA – Mensagens de exaltação aos antigos combatentes e veteranos da pátria, pelo seu contributo para o alcance da independência nacional, marcaram os actos provinciais alusivos ao seu dia, assinalado hoje.

No Bié, o director provincial do Gabinete dos Antigos Combatentes e Veteranos da Pátria, Isaac Alberto, referiu que a experiência vivida pelos antigos combatentes e veterano da pátria deve ser transmitida nas instituições de ensino, com vista a despertar o heroísmo e a bravura da juventude, na defesa dos interesses do país.

Para este ano, o governo da província do Bié vai trabalhar na melhoria das condições de vida dos assistidos, como distribuição de terrenos para auto-construção dirigida, apoiá-los na assistência hospitalar, formação dos seus dependentes e outros projectos do sector da agricultura. 

Nesta parcela do país, são assistidos seis mil 670 pessoas, incluindo viúvas e órfãos.

No Bengo, a governadora Mara Quiosa depositou uma coroa de flores no Memorial dos heróis da Pátria, em Caxito. Foi ainda realizada uma mesa redonda sobre o papel desempenhado pelo antigo combatente no processo que culminou com a independência nacional.

A província do Bengo tem 10 mil pensionistas, entre antigos combatentes, deficientes de guerra, órfãos, viúvas e acompanhantes.

Mais de dois mil novos processos de ex-guerrilheiros aguardam por homologação junto ao Ministério de Tutela. Em 2017, ocorreu a última homologação de processos, quando foram incluídos 1.040 novos processos de veteranos na segurança social do Estado.

No Huambo, a governadora local, Lotty Nolika, informou que esta franja da sociedade vai beneficiar de cinco porcentos do total de residências construídas na centralidade Fernando Faustino Muteka, no município da Caála, correspondente a 200 casas.

Nesta província, quatrocentos e 45 pessoas aguardam pelo seu enquadramento nas diversas categorias de antigos combatentes e veteranos da pátria, a fim de começarem a receber as suas pensões.

Os processos já foram tratados ao nível local e devem ser remetidos, em breve, ao Ministério de tutela para a sua homologação, numa cifra de 242 antigos combatentes, 55 viúvas e 148 órfãos.

Em 2020 foram pagos todos os subsídios aos assistidos, num total de quatro mil e 684 beneficiários.

Na província de Cabinda, a sociedade foi recomendada a continuar a valorizar o antigo combatente e veteranos da pátria, pelo contributo dado na conquista da independência nacional.

Esses, por sua vez, pediram ao executivo para melhorarem as suas condições de vida e das suas famílias, criando mecanismos adicionais de apoios nos programas de fomento habitacional.

Já em Malanje, os antigos combatentes e veteranos da pátria, inseridos em associações de camponeses, solicitaram apoios do governo, consubstanciado em tractores, imputes agrícolas e aumento das pensões.

O vice-governador para o sector político, económico e social, Domingos Eduardo, realçou que o governo tudo está a fazer para melhorar a condição social e económica dos antigos combatentes, através de acções e projectos de desenvolvimento económico e reinserção social.

No Namibe, a vice-governadora para o sector politico, económico e social, Carla Maiza Tavares, considerou o antigo combatente um baluarte da libertação nacional e símbolo da resistência do povo angolano na luta contra a opressão colonial.

Reconheceu que  esta franja da sociedade em determinados sítios ainda é fragilizada e descriminada pelas suas deficiências físicas, pelos problemas que enfrentam, como assistência medicamentosa, o acesso à habitação, ao transporte,  ao ensino, à formação profissional entre outros.

A  província controla em toda extensão um total de mil e 188 assistidos, entre antigos combatentes  e Veteranos da Pátria, órfão, viúvas e deficiente de guerra.

Enquanto isso, no Cuanza Norte, o director do gabinete provincial dos Antigos Combatentes e Veteranos da Pátria, Guilherme Neto, acusou a Administração do Bolongongo de apropriar-se de um tractor, destinado a apoiar a actividade agrícola dos antigos combatentes, organizados em associações e cooperativas de camponeses.

O responsável esclarece que tractor, que devia apoiar os filiados na preparação de terras agrícolas em outros municípios, encontra-se, há algum tempo,  na posse da administração local, que se recusa a devolver por razões desconhecidas.

Guilherme Neto disse constatar-se situação similar no município de Samba-Cajú, onde outros dois tractores foram danificadas por negligência de funcionários da administração  local, enquanto outro encontra-se avariado.

Os tractores constam de um leque de cinco máquinas atribuídas à instituição pelo governo, para apoio aos antigos combatentes e veteranos da pátria na preparação de terras, para o fomento da produção agrícola.

Em resposta, o administrador do município do Bolongongo, Luís Coxi, diz desconhecer o caso, mas assegurou que vai fazer diligências para encontrar uma solução no mais curso espaço de tempo.

Na Lunda Sul, durante o ano 2020, foram assistidos dois mil antigos combatentes e veteranos da pátria, com kits agrícolas e tractores para prática da agricultura, de modo a ajudar no sustento das suas famílias.

Esta província controla catorze mil e 16 antigos combatentes e veteranos da pátria.

Por adopção das autoridades nacionais, considera-se antigo combatente todo o cidadão que participou da luta anti-colonial até 11 de Novembro de 1975, que culminou com a independência de Angola, justamente nesta data.

O Dia Nacional dos Antigos Combatentes e Veteranos da Pátria foi instituído a 15 de Janeiro e visa valorizar aqueles cidadãos (mortos ou vivos) que deram o melhor de si para a independência do país.

No Bié, o director provincial do Gabinete dos Antigos Combatentes e Veteranos da Pátria, Isaac Alberto, referiu que a experiência vivida pelos antigos combatentes e veterano da pátria deve ser transmitida nas instituições de ensino, com vista a despertar o heroísmo e a bravura da juventude, na defesa dos interesses do país.

Para este ano, o governo da província do Bié vai trabalhar na melhoria das condições de vida dos assistidos, como distribuição de terrenos para auto-construção dirigida, apoiá-los na assistência hospitalar, formação dos seus dependentes e outros projectos do sector da agricultura. 

Nesta parcela do país, são assistidos seis mil 670 pessoas, incluindo viúvas e órfãos.

No Bengo, a governadora Mara Quiosa depositou uma coroa de flores no Memorial dos heróis da Pátria, em Caxito. Foi ainda realizada uma mesa redonda sobre o papel desempenhado pelo antigo combatente no processo que culminou com a independência nacional.

A província do Bengo tem 10 mil pensionistas, entre antigos combatentes, deficientes de guerra, órfãos, viúvas e acompanhantes.

Mais de dois mil novos processos de ex-guerrilheiros aguardam por homologação junto ao Ministério de Tutela. Em 2017, ocorreu a última homologação de processos, quando foram incluídos 1.040 novos processos de veteranos na segurança social do Estado.

No Huambo, a governadora local, Lotty Nolika, informou que esta franja da sociedade vai beneficiar de cinco porcentos do total de residências construídas na centralidade Fernando Faustino Muteka, no município da Caála, correspondente a 200 casas.

Nesta província, quatrocentos e 45 pessoas aguardam pelo seu enquadramento nas diversas categorias de antigos combatentes e veteranos da pátria, a fim de começarem a receber as suas pensões.

Os processos já foram tratados ao nível local e devem ser remetidos, em breve, ao Ministério de tutela para a sua homologação, numa cifra de 242 antigos combatentes, 55 viúvas e 148 órfãos.

Em 2020 foram pagos todos os subsídios aos assistidos, num total de quatro mil e 684 beneficiários.

Na província de Cabinda, a sociedade foi recomendada a continuar a valorizar o antigo combatente e veteranos da pátria, pelo contributo dado na conquista da independência nacional.

Esses, por sua vez, pediram ao executivo para melhorarem as suas condições de vida e das suas famílias, criando mecanismos adicionais de apoios nos programas de fomento habitacional.

Já em Malanje, os antigos combatentes e veteranos da pátria, inseridos em associações de camponeses, solicitaram apoios do governo, consubstanciado em tractores, imputes agrícolas e aumento das pensões.

O vice-governador para o sector político, económico e social, Domingos Eduardo, realçou que o governo tudo está a fazer para melhorar a condição social e económica dos antigos combatentes, através de acções e projectos de desenvolvimento económico e reinserção social.

No Namibe, a vice-governadora para o sector politico, económico e social, Carla Maiza Tavares, considerou o antigo combatente um baluarte da libertação nacional e símbolo da resistência do povo angolano na luta contra a opressão colonial.

Reconheceu que  esta franja da sociedade em determinados sítios ainda é fragilizada e descriminada pelas suas deficiências físicas, pelos problemas que enfrentam, como assistência medicamentosa, o acesso à habitação, ao transporte,  ao ensino, à formação profissional entre outros.

A  província controla em toda extensão um total de mil e 188 assistidos, entre antigos combatentes  e Veteranos da Pátria, órfão, viúvas e deficiente de guerra.

Enquanto isso, no Cuanza Norte, o director do gabinete provincial dos Antigos Combatentes e Veteranos da Pátria, Guilherme Neto, acusou a Administração do Bolongongo de apropriar-se de um tractor, destinado a apoiar a actividade agrícola dos antigos combatentes, organizados em associações e cooperativas de camponeses.

O responsável esclarece que tractor, que devia apoiar os filiados na preparação de terras agrícolas em outros municípios, encontra-se, há algum tempo,  na posse da administração local, que se recusa a devolver por razões desconhecidas.

Guilherme Neto disse constatar-se situação similar no município de Samba-Cajú, onde outros dois tractores foram danificadas por negligência de funcionários da administração  local, enquanto outro encontra-se avariado.

Os tractores constam de um leque de cinco máquinas atribuídas à instituição pelo governo, para apoio aos antigos combatentes e veteranos da pátria na preparação de terras, para o fomento da produção agrícola.

Em resposta, o administrador do município do Bolongongo, Luís Coxi, diz desconhecer o caso, mas assegurou que vai fazer diligências para encontrar uma solução no mais curso espaço de tempo.

Na Lunda Sul, durante o ano 2020, foram assistidos dois mil antigos combatentes e veteranos da pátria, com kits agrícolas e tractores para prática da agricultura, de modo a ajudar no sustento das suas famílias.

Esta província controla catorze mil e 16 antigos combatentes e veteranos da pátria.

Por adopção das autoridades nacionais, considera-se antigo combatente todo o cidadão que participou da luta anti-colonial até 11 de Novembro de 1975, que culminou com a independência de Angola, justamente nesta data.

O Dia Nacional dos Antigos Combatentes e Veteranos da Pátria foi instituído a 15 de Janeiro e visa valorizar aqueles cidadãos (mortos ou vivos) que deram o melhor de si para a independência do país.