Bento Bento ausculta munícipes do Cazenga

  • 1º Seceretário provincial do MPLA, Bento Joaquim  Sebastião Francisco Bento “Bento Bento”
Luanda - O primeiro-secretário provincial do MPLA em Luanda, Bento Bento, começou esta quinta-feira uma jornada de trabalho de três dias no Cazenga, com o objectivo de se reunir com militantes, sociedade civil, igrejas e autoridades tradicionais para ouvir as suas preocupações e traçar planos de resolução.

No início da jornada, Bento Bento depositou uma coroa de flores no monumento dos Heróis do 4 de Fevereiro, em homenagem aos combatentes tombados na luta pela Independência de Angola da ex-potência colonial portuguesa.

Em seguida, reuniu-se com militantes, simpatizantes e amigos do MPLA, que apresentaram diversos problemas ligados à escassez de água potável, energia eléctrica e de vias de acesso, falta de universidades e de medicamentos nas unidades hospitalares, bem como predominância de delinquência.

Os subsídios para as doenças crónicas (diabetes e hipertensão arterial), a situação dos antigos militares do exército colonial, que não estão inscritos e nem recebem pensões, foram também preocupações apresentadas.

Os intervenientes pediram a advocacia do Executivo para pressionar o Governo português a pagar as pensões dos antigos militares.

Solicitaram, igualmente, a resolução dos problemas básicos da população, bem como a reactivação dos comités de acção, entre outras questões.

Bento Bento disse que decidiu começar o diálogo no Cazenga, não só com as estruturas do MPLA, mas com a sociedade civil, para ouvir as suas preocupações, já que alguns assuntos podem ser resolvidos na municipalidade.

Na ocasião, foram oferecidas cestas básicas e bens diversos às quitandeiras e algumas motorizadas aos jovens.

 

 

No início da jornada, Bento Bento depositou uma coroa de flores no monumento dos Heróis do 4 de Fevereiro, em homenagem aos combatentes tombados na luta pela Independência de Angola da ex-potência colonial portuguesa.

Em seguida, reuniu-se com militantes, simpatizantes e amigos do MPLA, que apresentaram diversos problemas ligados à escassez de água potável, energia eléctrica e de vias de acesso, falta de universidades e de medicamentos nas unidades hospitalares, bem como predominância de delinquência.

Os subsídios para as doenças crónicas (diabetes e hipertensão arterial), a situação dos antigos militares do exército colonial, que não estão inscritos e nem recebem pensões, foram também preocupações apresentadas.

Os intervenientes pediram a advocacia do Executivo para pressionar o Governo português a pagar as pensões dos antigos militares.

Solicitaram, igualmente, a resolução dos problemas básicos da população, bem como a reactivação dos comités de acção, entre outras questões.

Bento Bento disse que decidiu começar o diálogo no Cazenga, não só com as estruturas do MPLA, mas com a sociedade civil, para ouvir as suas preocupações, já que alguns assuntos podem ser resolvidos na municipalidade.

Na ocasião, foram oferecidas cestas básicas e bens diversos às quitandeiras e algumas motorizadas aos jovens.