BUAP no Lobito com fraco desempenho

Lobito - Cerca de um mês após a sua entrada em funcionamento, o Balcão Único de Atendimento ao Público (BUAP), no Lobito (Benguela), registou apenas dois mil 240 pessoas para a obtenção do cartão do municipe, soube a Angop, esta sexta-feira.

Segundo o director municipal dos Registos e Modernização Administrativa, Jaime Neves, esta cifra é muita baixa, tendo em conta os 159.192 previstos até ao final do ano.

De acordo com o director, o problema deve-se às constantes quedas do sinal da internet, que está a atrasar fortemente o processo.

"Depois de registar entre duas a cinco pessoas, perdemos o sinal e esperamos muito tempo para o seu restabelecimento", desabafou.

Como tentativa para resolver o problema, o director informou que o administrador municipal, Evaristo Calopa Mário, contactou a Angola Telecom para reforçar o sinal no bairro da Restinga, onde está a funcionar o BUAP.

Porém, o resultado ainda não é o desejado devido a incompatibilidade entre o sistema da Telecom e o da SINFIC, empresa responsável pela parte técnica dos registos.

Jaime da Costa aproveitou para desmentir rumores segundo os quais, existe alguma desorganização no trabalho elaborado pelo BUAP.

"Nós distribuímos fichas e priorizamos os idosos, as gestantes, mães com bebés e pessoas com deficiência física", explicou.

Acrescentou ainda que muitos jovens aparecem tarde e querem ser atendidos rapidamente, desrespeitando as pessoas que encontram no local.

Segundo ele, os trabalhadores cumprem o horário da função pública, das 8 horas às 15h00, e muitas vezes são sacrificados com a falta de almoço e de água para beber.

Há, no entanto, promessas de melhoria do sinal da internet, o mais breve possível, o aumento de mais balcões, bem como a extensão do horário até às 16h00, para facilitar a fluidez no atendimento, segundo o director provincial dos registos, Tuca Manuel.

Segundo o director municipal dos Registos e Modernização Administrativa, Jaime Neves, esta cifra é muita baixa, tendo em conta os 159.192 previstos até ao final do ano.

De acordo com o director, o problema deve-se às constantes quedas do sinal da internet, que está a atrasar fortemente o processo.

"Depois de registar entre duas a cinco pessoas, perdemos o sinal e esperamos muito tempo para o seu restabelecimento", desabafou.

Como tentativa para resolver o problema, o director informou que o administrador municipal, Evaristo Calopa Mário, contactou a Angola Telecom para reforçar o sinal no bairro da Restinga, onde está a funcionar o BUAP.

Porém, o resultado ainda não é o desejado devido a incompatibilidade entre o sistema da Telecom e o da SINFIC, empresa responsável pela parte técnica dos registos.

Jaime da Costa aproveitou para desmentir rumores segundo os quais, existe alguma desorganização no trabalho elaborado pelo BUAP.

"Nós distribuímos fichas e priorizamos os idosos, as gestantes, mães com bebés e pessoas com deficiência física", explicou.

Acrescentou ainda que muitos jovens aparecem tarde e querem ser atendidos rapidamente, desrespeitando as pessoas que encontram no local.

Segundo ele, os trabalhadores cumprem o horário da função pública, das 8 horas às 15h00, e muitas vezes são sacrificados com a falta de almoço e de água para beber.

Há, no entanto, promessas de melhoria do sinal da internet, o mais breve possível, o aumento de mais balcões, bem como a extensão do horário até às 16h00, para facilitar a fluidez no atendimento, segundo o director provincial dos registos, Tuca Manuel.