CPLP prepara posição comum em fóruns internacionais

  • Bandeiras dos países da CPLP
Nova Iorque (Dos enviados especiais) – A Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) anunciou, nesta sexta-feira, que prepara uma posição comum para os fóruns internacionais

O ministro angolano das Relações Exteriores, Teté António, cujo país assegura a presidência rotativa da CPLP, explicou, em Nova Iorque, ser tradição desta organização acertar posições sempre que haja uma sessão da Assembleia Geral da ONU.

O governante falava à imprensa no termo de um encontro de concertação com os seus homólogos da CPLP, à margem dos trabalhos da 76ª sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas.

O chefe da diplomacia angolana explicou que a concertação não se limita aos pontos constantes da programação da Assembleia Geral, mas também cobre a própria agenda da CPLP.

Por haver este ano poucas actividades nas Nações Unidas, disse, a concertação realizada esta sexta-feira incidiu mais sobre a presidência angolana da CPLP, tendo passado em revista as suas prioridades e a calendarização da sua agenda.

Acrescentou que foi analisada a participação da CPLP nos próximos fóruns internacionais, incluindo na Conferência das Nações Unidas sobre o Clima (COP-26), de Novembro próximo, em Glasgow, na Escócia, (Reino Unido), e na II Conferência Internacional sobre os Oceanos, a realizar-se em 2022, em Portugal.

Esta última estava inicialmente agendada para Junho de 2020, mas foi sendo sucessivamente adiada devido à pandemia da Covid-19.

A Conferência será organizada conjuntamente pelos governos de Portugal e do Quénia e tem como objectivo a implementação do Objetivo para o Desenvolvimento Sustentável nº 14, relativo à segurança marítima.

O ministro anunciou que a CPLP está a preparar a sua contribuição ao projeto de Tratado Internacional sobre as Pandemias, actualmente em negociação.

               

 

O ministro angolano das Relações Exteriores, Teté António, cujo país assegura a presidência rotativa da CPLP, explicou, em Nova Iorque, ser tradição desta organização acertar posições sempre que haja uma sessão da Assembleia Geral da ONU.

O governante falava à imprensa no termo de um encontro de concertação com os seus homólogos da CPLP, à margem dos trabalhos da 76ª sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas.

O chefe da diplomacia angolana explicou que a concertação não se limita aos pontos constantes da programação da Assembleia Geral, mas também cobre a própria agenda da CPLP.

Por haver este ano poucas actividades nas Nações Unidas, disse, a concertação realizada esta sexta-feira incidiu mais sobre a presidência angolana da CPLP, tendo passado em revista as suas prioridades e a calendarização da sua agenda.

Acrescentou que foi analisada a participação da CPLP nos próximos fóruns internacionais, incluindo na Conferência das Nações Unidas sobre o Clima (COP-26), de Novembro próximo, em Glasgow, na Escócia, (Reino Unido), e na II Conferência Internacional sobre os Oceanos, a realizar-se em 2022, em Portugal.

Esta última estava inicialmente agendada para Junho de 2020, mas foi sendo sucessivamente adiada devido à pandemia da Covid-19.

A Conferência será organizada conjuntamente pelos governos de Portugal e do Quénia e tem como objectivo a implementação do Objetivo para o Desenvolvimento Sustentável nº 14, relativo à segurança marítima.

O ministro anunciou que a CPLP está a preparar a sua contribuição ao projeto de Tratado Internacional sobre as Pandemias, actualmente em negociação.