UNITA quer quebrar hegemonia do MPLA no Cuanza Sul

  • Militantes da UNITA
Quibala – O secretário provincial da UNITA, Armando Kakepa, reafirmou hoje, na Quibala, a pretensão do seu partido eleger os primeiros deputados pelo círculo do Cuanza Sul, nas próximas eleições gerais, e quebrar a hegemonia do MPLA.

Desde a institucionalização das eleições gerais no país, o MPLA tem suplantado os seus adversários políticos, elegendo os cinco deputados do círculo provincial do Cuanza Sul, realidade que a UNITA espera agora inverter.

“Temos como desafio este ano, 2021, a construção de uma ponte segura para a mudança e assim quebrar o histórico do MPLA sobre a eleição dos cinco deputados pelo círculo do Cuanza Sul, bem como ajudar o partido a chegar ao poder”, afirmou o secretário, na abertura do ano político do partido na região.

O político disse que muitos angolanos aguardam com expectativa a alternância do quadro político, social e económico do país, tendo na UNITA uma aposta certa.

“Angola continua a clamar por paz social, fortalecimento do Estado democrático e de direito, com instituições eleitorais equilibradas e independentes”, reforçou o politico.

A acção decorre sob o lema “ 2021- ano da mobilização dos patriotas para a alternância do poder”.

Entretanto, outro partido que fez igualmente a abertura do seu ano político é a CASA CE, que defende o fortalecimento das estruturas de base da coligação para obter resultados positivos nas eleições gerais em 2022.

De acordo com o seu secretário provincial, Mayomona Mafuany, urge a necessidade de não perder de vista os valores da paz, o patriotismo, a liberdade e a democracia.

Integram a coligação, os partidos para o Desenvolvimento e Democracia de Angola — Aliança Patriótica (PADDA-AP), de Aliança Livre de Maioria Angolana (PALMA), Nacional de Salvação de Angola (PNSA), Pacífico Angolano (PPA) e Democrático para o Progresso de Aliança Nacional Angolana (PDP-ANA) e o Bloco Democrático.

 

Desde a institucionalização das eleições gerais no país, o MPLA tem suplantado os seus adversários políticos, elegendo os cinco deputados do círculo provincial do Cuanza Sul, realidade que a UNITA espera agora inverter.

“Temos como desafio este ano, 2021, a construção de uma ponte segura para a mudança e assim quebrar o histórico do MPLA sobre a eleição dos cinco deputados pelo círculo do Cuanza Sul, bem como ajudar o partido a chegar ao poder”, afirmou o secretário, na abertura do ano político do partido na região.

O político disse que muitos angolanos aguardam com expectativa a alternância do quadro político, social e económico do país, tendo na UNITA uma aposta certa.

“Angola continua a clamar por paz social, fortalecimento do Estado democrático e de direito, com instituições eleitorais equilibradas e independentes”, reforçou o politico.

A acção decorre sob o lema “ 2021- ano da mobilização dos patriotas para a alternância do poder”.

Entretanto, outro partido que fez igualmente a abertura do seu ano político é a CASA CE, que defende o fortalecimento das estruturas de base da coligação para obter resultados positivos nas eleições gerais em 2022.

De acordo com o seu secretário provincial, Mayomona Mafuany, urge a necessidade de não perder de vista os valores da paz, o patriotismo, a liberdade e a democracia.

Integram a coligação, os partidos para o Desenvolvimento e Democracia de Angola — Aliança Patriótica (PADDA-AP), de Aliança Livre de Maioria Angolana (PALMA), Nacional de Salvação de Angola (PNSA), Pacífico Angolano (PPA) e Democrático para o Progresso de Aliança Nacional Angolana (PDP-ANA) e o Bloco Democrático.