Embaixada dos EUA esclarece essência do Visa Bond

  • Avião da Taag Durante o embarque de passageiros
Luanda - A cônsul dos Estados Unidos da América em Angola, Tracy Mussachio, tranquilizou os viajantes angolanos em relação ao projecto piloto "Visa Bound", afirmando que não há qualquer alteração no processo de solicitação de visto" para o seu país.

Conforme a diplomata, o Visa Bond aplica-se aos cidadãos inelegíveis para receber visto, como os condenados por crimes, sublinhando que os cidadãos angolanos interessados em solicitar visto de turista para aquele Estado pagarão a taxa padrão de 160 dólares.

A reacção da diplomata surge dias depois de os EUA anunciarem uma regra de visto que exige aos turistas e viajantes a negócios de mais de 28 países, incluindo Angola, o pagamento de caução de até USD 15 mil, além das taxas de visto (entre 16 e 300 USD).

De acordo com o TheCable, o Departamento de Estado dos EUA informa que o programa piloto de títulos de vistos deve entrar em vigor a partir de 24 de Dezembro e terminar a 24 de Junho de 2021.

O mesmo é direcionada a países cujos cidadãos têm taxas mais altas de visto B-2 para turistas e B-1, visto dirigido a viajantes a negócios.

Segundo a cônsul, o Visa Bond é temporário e só se aplica a um número muito pequeno de viajantes, não abrangendo a grande maioria dos viajantes angolanos em negócios ou turistas.

Em concreto, explicou, o programa não se aplica a estudantes, viajantes oficiais, nem a qualquer outra categoria de visto dos EUA, incluindo vistos de imigrante e de diversidade.

A diplomata esclareceu que os candidatos serão entrevistados na Embaixada dos Estados Unidos da América em Angola e notificados se forem elegíveis para um visto, sendo que os actuais utentes de visto daquele país continuarão a ter os seus vistos válidos para se deslocar aos EUA.

O Visa Bond aplica-se aos cidadãos inelegíveis para receber um visto, mas se for concedida isenção de inelegibilidade a um requerente, pelo Departamento de Segurança Interna do governo dos EUA, será solicitada uma taxa reembolsável ao requerente, para que a sua viagem esteja em conformidade.

Angola foi incluída neste programa com 21 outros países devido à elevada taxa de viajantes nacionais que usam indevidamente os vistos americanos, ao ficarem mais tempo do que os vistos permitem.

 

 

Conforme a diplomata, o Visa Bond aplica-se aos cidadãos inelegíveis para receber visto, como os condenados por crimes, sublinhando que os cidadãos angolanos interessados em solicitar visto de turista para aquele Estado pagarão a taxa padrão de 160 dólares.

A reacção da diplomata surge dias depois de os EUA anunciarem uma regra de visto que exige aos turistas e viajantes a negócios de mais de 28 países, incluindo Angola, o pagamento de caução de até USD 15 mil, além das taxas de visto (entre 16 e 300 USD).

De acordo com o TheCable, o Departamento de Estado dos EUA informa que o programa piloto de títulos de vistos deve entrar em vigor a partir de 24 de Dezembro e terminar a 24 de Junho de 2021.

O mesmo é direcionada a países cujos cidadãos têm taxas mais altas de visto B-2 para turistas e B-1, visto dirigido a viajantes a negócios.

Segundo a cônsul, o Visa Bond é temporário e só se aplica a um número muito pequeno de viajantes, não abrangendo a grande maioria dos viajantes angolanos em negócios ou turistas.

Em concreto, explicou, o programa não se aplica a estudantes, viajantes oficiais, nem a qualquer outra categoria de visto dos EUA, incluindo vistos de imigrante e de diversidade.

A diplomata esclareceu que os candidatos serão entrevistados na Embaixada dos Estados Unidos da América em Angola e notificados se forem elegíveis para um visto, sendo que os actuais utentes de visto daquele país continuarão a ter os seus vistos válidos para se deslocar aos EUA.

O Visa Bond aplica-se aos cidadãos inelegíveis para receber um visto, mas se for concedida isenção de inelegibilidade a um requerente, pelo Departamento de Segurança Interna do governo dos EUA, será solicitada uma taxa reembolsável ao requerente, para que a sua viagem esteja em conformidade.

Angola foi incluída neste programa com 21 outros países devido à elevada taxa de viajantes nacionais que usam indevidamente os vistos americanos, ao ficarem mais tempo do que os vistos permitem.