Falta de condições dificulta trabalho da PGR no Moxico

  • Procurador Geral Adjunto da Republica e Acompanhante da PGR-Moxico, Clestino Paulo Benguela
Luena – O procurador-geral-adjunto da República, Celestino Paulo Benguela, reconheceu, nesta quinta-feira, no Luena, que a falta de condições de trabalho e o reduzido número de magistrados estão a limitar a actuação da PGR na província do Moxico.

Em declarações à imprensa, no quadro de uma visita de constatação que realiza na província do Moxico, no âmbito da Semana da Legalidade, o procurador-geral adjunto da República justificou que a situação, agravada pela crise financeira que o país vive, é do conhecimento das estruturas centrais, que estão a envidar esforços no sentido de resolver o problema.

Quanto à limitação do número de magistrados do Ministério Público na região, informou que a província vai beneficiar brevemente de três novos procuradores, para contribuírem na administração da justiça.

A PGR no Moxico possui 12 magistrados, para uma população estimada em mais de 900 mil habitantes.

Em declarações à imprensa, no quadro de uma visita de constatação que realiza na província do Moxico, no âmbito da Semana da Legalidade, o procurador-geral adjunto da República justificou que a situação, agravada pela crise financeira que o país vive, é do conhecimento das estruturas centrais, que estão a envidar esforços no sentido de resolver o problema.

Quanto à limitação do número de magistrados do Ministério Público na região, informou que a província vai beneficiar brevemente de três novos procuradores, para contribuírem na administração da justiça.

A PGR no Moxico possui 12 magistrados, para uma população estimada em mais de 900 mil habitantes.