Governador destaca contributo de Agostinho Neto na emancipação de África

  • Governador Provincial  do Moxico, Goncalves Muandumba
Luena - O governador provincial do Moxico, Gonçalves Muandumba, destacou, nesta sexta-feira, no Luena, o contributo do primeiro Presidente de Angola e fundador da Nação, António Agostinho Neto, na emancipação do continente africano.

O governante que falava no quadro das celebrações do 17 de Setembro, Dia do fundador da Nação e Herói Nacional, disse que Agostinho Neto denunciou e condenou, por via da poesia, perante a comunidade internacional, o tráfico de escravos e o colonialismo em África.

Na ocasião, Gonçalves Muandumba exortou os angolanos a reflectirem em torno da data, honrando os feitos dos heróis nacionais e cultivando os valores da reconciliação.

Segundo o governante, o actual contexto do país exige mais unidade e amor entre os angolanos para a preservação da paz, apelando aos mais jovens a cultivar o espírito de trabalho e dedicação para o desenvolvimento da província e do país.

António Agostinho Neto, que completaria hoje 99 anos, nascido a 17 de Setembro de 1922, em Caxicane (Icolo e Bengo), é uma das principais figuras da Nação angolana do século XX, fruto do seu papel decisivo na independência de Angola e de alguns países africanos.

 

O governante que falava no quadro das celebrações do 17 de Setembro, Dia do fundador da Nação e Herói Nacional, disse que Agostinho Neto denunciou e condenou, por via da poesia, perante a comunidade internacional, o tráfico de escravos e o colonialismo em África.

Na ocasião, Gonçalves Muandumba exortou os angolanos a reflectirem em torno da data, honrando os feitos dos heróis nacionais e cultivando os valores da reconciliação.

Segundo o governante, o actual contexto do país exige mais unidade e amor entre os angolanos para a preservação da paz, apelando aos mais jovens a cultivar o espírito de trabalho e dedicação para o desenvolvimento da província e do país.

António Agostinho Neto, que completaria hoje 99 anos, nascido a 17 de Setembro de 1922, em Caxicane (Icolo e Bengo), é uma das principais figuras da Nação angolana do século XX, fruto do seu papel decisivo na independência de Angola e de alguns países africanos.