Governador pede intervenção nas obras do novo tribunal do Cuito

  • Governador do Bié, Pereira Alfredo
Cuito – O governador provincial do Bié, Pereira Alfredo, mostrou-se preocupado com a degradação dos trabalhos já feitos nas obras de recuperação do novo Tribunal da Comarca do Cuito, por isso pediu à pronta intervenção do Ministério da Justiça e dos Direitos Humanos, para o retorno da empreitada.

As obras, da responsabilidade do ministério de tutela, estão paralisadas há mais de dois anos, desconhecendo-se, até ao momento, os motivos da sua interrupção.

Segundo o governador do Bié, Pereira Alfredo, que falava hoje no encontro de cortesia que manteve com o secretário executivo interino do Conselho Superior da Magistratura Judicial, Pedro Chilicuesse, as autoridades locais têm vindo a solicitar ao ministério a sua pronta intervenção, na medida em que as obras estão a degradar-se cada vez mais.

A infra-estrutura pertencia a antiga seguradora três AAA e a sua recuperação servirá para dar maior dignidade aos magistrados e a população em geral.

Pereira Alfredo assegurou que o governo está a criar condições de alojamentos para magistrados, quer nos municípios do Cuito, Andulo, Camacupa, que estão já inseridos no mapa judicial do país, quer nas regiões do Chitembo, Chinguar e Cunhinga.

Por sua vez, o secretário executivo interino do Conselho Superior da Magistratura Judicial, Pedro Chilicuesse, lamentou as condições menos dignas em que labutam os juízes na cidade do Cuito, pelo facto de trabalharem numa infra-estrutura construída há muitos anos.

Apontou ainda as dificuldades que os magistrados enfrentam em termos de residências e habitação, exortando ao Governo da província a fim de ajudar a solucionar o mais breve possível esta situação.

Outrossim, disse ser pretensão do Conselho Superior da Magistratura Judicial transformar as salas genéricas dos municípios do Chinguar, Chitembo e Cuemba em tribunais, por terem já instalações que justifiquem.

O Tribunal da Comarca do Cuito conta com mais de oito juízes.

As obras, da responsabilidade do ministério de tutela, estão paralisadas há mais de dois anos, desconhecendo-se, até ao momento, os motivos da sua interrupção.

Segundo o governador do Bié, Pereira Alfredo, que falava hoje no encontro de cortesia que manteve com o secretário executivo interino do Conselho Superior da Magistratura Judicial, Pedro Chilicuesse, as autoridades locais têm vindo a solicitar ao ministério a sua pronta intervenção, na medida em que as obras estão a degradar-se cada vez mais.

A infra-estrutura pertencia a antiga seguradora três AAA e a sua recuperação servirá para dar maior dignidade aos magistrados e a população em geral.

Pereira Alfredo assegurou que o governo está a criar condições de alojamentos para magistrados, quer nos municípios do Cuito, Andulo, Camacupa, que estão já inseridos no mapa judicial do país, quer nas regiões do Chitembo, Chinguar e Cunhinga.

Por sua vez, o secretário executivo interino do Conselho Superior da Magistratura Judicial, Pedro Chilicuesse, lamentou as condições menos dignas em que labutam os juízes na cidade do Cuito, pelo facto de trabalharem numa infra-estrutura construída há muitos anos.

Apontou ainda as dificuldades que os magistrados enfrentam em termos de residências e habitação, exortando ao Governo da província a fim de ajudar a solucionar o mais breve possível esta situação.

Outrossim, disse ser pretensão do Conselho Superior da Magistratura Judicial transformar as salas genéricas dos municípios do Chinguar, Chitembo e Cuemba em tribunais, por terem já instalações que justifiquem.

O Tribunal da Comarca do Cuito conta com mais de oito juízes.