JMPLA realça governação de João Lourenço

Lubango - O combate à corrupção e a impunidade, reorganização do sistema governativo, modernização e credibilidade da justiça destacam-se entre os feitos da governação do Presidente João Lourenço, em três anos, considera a JMPLA na Huíla.

 

 

 

A organização juvenil do partido no poder (MPLA) fez esta constatação hoje, no Lubango, num acto de apoio ao líder da formação política, enquadrado nas comemorações do 64º aniversário do partido, na voz do docente universitário Castilho Cacumba.

Na ocasião, este sublinhou que a luta contra a corrupção e outros crimes conexos é fundamental para a moralização dos serviços públicos e da sociedade, pelo que vai melhorar a imagem externa do país, sobretudo na mobilização de investimentos e créditos institucionais.

Apontou igualmente a recuperação de activos do Estado domiciliados no país e no exterior, a promoção de competências, do mérito e da transparência na função pública e comunicação na administração pública como resultados positivos.

Foram ainda referenciados pelo académico a diversificação da economia, dinamização do sector empresarial, empoderamento dos jovens e da mulher, maior diálogo e concertação social, entre outros programas, com destaque para o Plano Integrado de Intervenção nos Municípios (PIIM).

Apesar dos resultados positivos, fez uma avaliação “difícil” deste período, agravado pela crise económica e a pandemia da covid-19. Na sua opinião, construiu-se nos últimos três anos um legado de lealdade, compromisso, coragem, autoridade e inteligência emocional para a juventude angolana.

Por sua vez a secretaria local da JMPLA, Ilda Martins, sublinhou a necessidade de a juventude desempenhar um papel crucial em torno do processo de desenvolvimento no país, não só por constituir a maioria da população, mas sobretudo por ser a camada com grande potencial de crescimento.

“O partido defende uma juventude cada vez mais instruída do ponto de vista académico e que possua cultura diversificada, promovendo valores nacionais com respeito as várias comunidades”, disse.

Apelou aos militantes para pautarem por uma conduta cívica, de respeito a diferença, que não comprometa as conquistas alcançadas, independência nacional, paz, democracia, unidade e reconciliação.

 

 

 

 

A organização juvenil do partido no poder (MPLA) fez esta constatação hoje, no Lubango, num acto de apoio ao líder da formação política, enquadrado nas comemorações do 64º aniversário do partido, na voz do docente universitário Castilho Cacumba.

Na ocasião, este sublinhou que a luta contra a corrupção e outros crimes conexos é fundamental para a moralização dos serviços públicos e da sociedade, pelo que vai melhorar a imagem externa do país, sobretudo na mobilização de investimentos e créditos institucionais.

Apontou igualmente a recuperação de activos do Estado domiciliados no país e no exterior, a promoção de competências, do mérito e da transparência na função pública e comunicação na administração pública como resultados positivos.

Foram ainda referenciados pelo académico a diversificação da economia, dinamização do sector empresarial, empoderamento dos jovens e da mulher, maior diálogo e concertação social, entre outros programas, com destaque para o Plano Integrado de Intervenção nos Municípios (PIIM).

Apesar dos resultados positivos, fez uma avaliação “difícil” deste período, agravado pela crise económica e a pandemia da covid-19. Na sua opinião, construiu-se nos últimos três anos um legado de lealdade, compromisso, coragem, autoridade e inteligência emocional para a juventude angolana.

Por sua vez a secretaria local da JMPLA, Ilda Martins, sublinhou a necessidade de a juventude desempenhar um papel crucial em torno do processo de desenvolvimento no país, não só por constituir a maioria da população, mas sobretudo por ser a camada com grande potencial de crescimento.

“O partido defende uma juventude cada vez mais instruída do ponto de vista académico e que possua cultura diversificada, promovendo valores nacionais com respeito as várias comunidades”, disse.

Apelou aos militantes para pautarem por uma conduta cívica, de respeito a diferença, que não comprometa as conquistas alcançadas, independência nacional, paz, democracia, unidade e reconciliação.