João Lourenço felicita médicos

  • Presidente da República, João Lourenço
Luanda - O Presidente da República, João Lourenço, felicitou esta terça-feira os médicos angolanos e estrangeiros que prestam serviço em Angola, por ocasião do Dia Nacional do Médico, que hoje se comemora.

Na sua conta no Twitter, o Chefe de Estado angolano rendeu “sentida homenagem a todos aqueles que no exercício da profissão perderam a vida, num gesto profundamente nobre e sem preço, para que outras vidas sobrevivessem”.

João Lourenço refere que “a nação reconhece toda a dedicação demonstrada pelos médicos, não só neste momento difícil da Covid-19, mas também na luta contra todas outras patologias que como a malária, as diarreias agudas, a hepatite e outras, atingem as vidas dos angolanos no dia a dia”.

Dados oficiais apontam para a necessidade de cerca de 28 mil médicos, para que Angola atinja o rácio (um médico para mil habitantes) recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), sendo que o país conta, actualmente, com apenas oito mil.

Os dados indicam ainda que no âmbito dos concursos públicos realizados em 2018 e 2019, pelo Governo angolano, foram enquadrados dois mil e 945 médicos, num total de 26 mil e 90 profissionais de saúde.

A rede sanitária nacional conta hoje com cerca de 100 mil profissionais, para servirem mais de 30 milhões de habitantes.

O Serviço Nacional de Saúde é constituído por perto de duas mil unidades, das quais se destacam oito hospitais centrais, 32 provinciais ou gerais, 228 municipais e centros de saúde, bem como 1.453 postos de saúde.

Na sua conta no Twitter, o Chefe de Estado angolano rendeu “sentida homenagem a todos aqueles que no exercício da profissão perderam a vida, num gesto profundamente nobre e sem preço, para que outras vidas sobrevivessem”.

João Lourenço refere que “a nação reconhece toda a dedicação demonstrada pelos médicos, não só neste momento difícil da Covid-19, mas também na luta contra todas outras patologias que como a malária, as diarreias agudas, a hepatite e outras, atingem as vidas dos angolanos no dia a dia”.

Dados oficiais apontam para a necessidade de cerca de 28 mil médicos, para que Angola atinja o rácio (um médico para mil habitantes) recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), sendo que o país conta, actualmente, com apenas oito mil.

Os dados indicam ainda que no âmbito dos concursos públicos realizados em 2018 e 2019, pelo Governo angolano, foram enquadrados dois mil e 945 médicos, num total de 26 mil e 90 profissionais de saúde.

A rede sanitária nacional conta hoje com cerca de 100 mil profissionais, para servirem mais de 30 milhões de habitantes.

O Serviço Nacional de Saúde é constituído por perto de duas mil unidades, das quais se destacam oito hospitais centrais, 32 provinciais ou gerais, 228 municipais e centros de saúde, bem como 1.453 postos de saúde.