João Lourenço está no Ghana para reforço da cooperação

  • Chegada do presidente da república ao Ghana
Accra (Do enviado especial) - O Presidente da República, João Lourenço, chegou domingo a Accra, para uma visita de Estado de dois dias a convite do seu homólogo do Ghana, Nana Akufo Addo.

Proveniente da República da Guiné, o Chefe de Estado angolano foi recebido, no aeroporto internacional de Kotoka, pelo ministro da Defesa do Ghana, Dominic Nitwul.

O estadista angolano, que se faz acompanhar de uma delegação de alto nível, cumpre, a partir de segunda-feira, uma agenda oficial que compreende, entre outras actividades, um encontro privado com o Presidente Nana Akufo Addo, com quem vai abordar questões relacionadas com a cooperação bilateral.

Angola e o Ghana, que partilham uma história comum na luta pelas independências nacionais, rubricaram os primeiros instrumentos jurídicos e de cooperação em 1976.

Para fortalecer o intercâmbio e as parcerias estratégicas, os dois governos assinaram, em 2019, em Angola, por altura da visita do Presidente do Ghana, um memorando no domínio da Educação, que visa a mobilidade de professores e pesquisadores de instituições do ensino superior e centros de pesquisa científica.

Assinaram, ainda, um acordo sobre o funcionamento da Comissão Bilateral de Cooperação, criada à luz do artigo 7º do Acordo Geral de Cooperação Económica, Científica, Técnica e Cultura, com o objectivo de estabelecer um quadro que permita a sua implementação.

Os dois países rubricaram, também, um acordo de supressão de vistos em passaportes diplomáticos e de serviço, que visa facilitar a mobilidade migratória.

A ideia das autoridades é fortalecer o intercâmbio de informação e troca de experiências, a que se junta o plano de reforço da promoção da mobilidade para professores e investigadores.

No actual cenário político e económico mundial, marcado pela forte retracção das economias devido à pandemia da Covid-19, os dois Estados perspectivam uma colaboração mais estreita nos domínios da energia, petróleos e hidrocarbonetos.

É expectável que, durante a visita, foquem a sua abordagem na investigação agrícola de agro-processamento e agro-negócio e no intercâmbio de conhecimento técnico e de informação sobre boas práticas agrícolas.

O acesso a mercados, facilitação de comércio, transformação industrial, troca de informações comerciais e participação em feiras e exposições diversas, são questões que se espera venham a ser igualmente discutidas.

O Ghana, uma das economias mais diversificadas de África, exporta pelo menos 78 produtos, que têm como principais destinos a Índia,  China, Suíça, África do Sul e Holanda.

Com este potencial, torna-se num preferencial parceiro para apoiar Angola no processo de diversificação da economia, aumento das exportações e redução das importações, alguns dos “cavalos de batalha” do Governo de Angola saído das eleições gerais de 2017.

Proveniente da República da Guiné, o Chefe de Estado angolano foi recebido, no aeroporto internacional de Kotoka, pelo ministro da Defesa do Ghana, Dominic Nitwul.

O estadista angolano, que se faz acompanhar de uma delegação de alto nível, cumpre, a partir de segunda-feira, uma agenda oficial que compreende, entre outras actividades, um encontro privado com o Presidente Nana Akufo Addo, com quem vai abordar questões relacionadas com a cooperação bilateral.

Angola e o Ghana, que partilham uma história comum na luta pelas independências nacionais, rubricaram os primeiros instrumentos jurídicos e de cooperação em 1976.

Para fortalecer o intercâmbio e as parcerias estratégicas, os dois governos assinaram, em 2019, em Angola, por altura da visita do Presidente do Ghana, um memorando no domínio da Educação, que visa a mobilidade de professores e pesquisadores de instituições do ensino superior e centros de pesquisa científica.

Assinaram, ainda, um acordo sobre o funcionamento da Comissão Bilateral de Cooperação, criada à luz do artigo 7º do Acordo Geral de Cooperação Económica, Científica, Técnica e Cultura, com o objectivo de estabelecer um quadro que permita a sua implementação.

Os dois países rubricaram, também, um acordo de supressão de vistos em passaportes diplomáticos e de serviço, que visa facilitar a mobilidade migratória.

A ideia das autoridades é fortalecer o intercâmbio de informação e troca de experiências, a que se junta o plano de reforço da promoção da mobilidade para professores e investigadores.

No actual cenário político e económico mundial, marcado pela forte retracção das economias devido à pandemia da Covid-19, os dois Estados perspectivam uma colaboração mais estreita nos domínios da energia, petróleos e hidrocarbonetos.

É expectável que, durante a visita, foquem a sua abordagem na investigação agrícola de agro-processamento e agro-negócio e no intercâmbio de conhecimento técnico e de informação sobre boas práticas agrícolas.

O acesso a mercados, facilitação de comércio, transformação industrial, troca de informações comerciais e participação em feiras e exposições diversas, são questões que se espera venham a ser igualmente discutidas.

O Ghana, uma das economias mais diversificadas de África, exporta pelo menos 78 produtos, que têm como principais destinos a Índia,  China, Suíça, África do Sul e Holanda.

Com este potencial, torna-se num preferencial parceiro para apoiar Angola no processo de diversificação da economia, aumento das exportações e redução das importações, alguns dos “cavalos de batalha” do Governo de Angola saído das eleições gerais de 2017.