Líder da UNITA destaca posição do PR sobre a lei eleitoral

  • Político, Adalberto Costa Júnior
Luanda – O presidente da UNITA, Adalberto Costa Júnior, disse que a posição tomada pelo Presidente da República, João Lourenço, em devolver a lei eleitoral à Assembleia Nacional, vai permitir aos deputados abordar aspectos que promovem a igualdade de oportunidades.

O pronunciamento foi feito, este domingo, no município de Viana, em Luanda, durante a cerimónia de encerramento da segunda reunião ordinária do Comité Nacional da JURA da região norte (Luanda), que decorreu de 17 a 19 do mês em curso.

Precisou que a perspectiva da UNITA é que a Assembleia Nacional assuma com patriotismo a possibilidade de se ter uma lei que beneficie o povo angolano.

Adalberto Costa Júnior apelou a juventude angolana a aderir em massa aos postos do registo eleitoral, considerando o processo como a fase mais importante da preparação das eleições gerais, cuja realização está prevista para o próximo ano.

Destacou que a organização juvenil do seu partido, a JURA, deve engajar-se na mobilização dos cidadãos a participarem no acto cívico do registo eleitoral.

Recorde-se que o Presidente da República devolveu, recentemente, a Lei de Alteração à Lei Orgânica sobre as Eleições Gerais ao Parlamento, para reapreciação de algumas matérias.

O pronunciamento foi feito, este domingo, no município de Viana, em Luanda, durante a cerimónia de encerramento da segunda reunião ordinária do Comité Nacional da JURA da região norte (Luanda), que decorreu de 17 a 19 do mês em curso.

Precisou que a perspectiva da UNITA é que a Assembleia Nacional assuma com patriotismo a possibilidade de se ter uma lei que beneficie o povo angolano.

Adalberto Costa Júnior apelou a juventude angolana a aderir em massa aos postos do registo eleitoral, considerando o processo como a fase mais importante da preparação das eleições gerais, cuja realização está prevista para o próximo ano.

Destacou que a organização juvenil do seu partido, a JURA, deve engajar-se na mobilização dos cidadãos a participarem no acto cívico do registo eleitoral.

Recorde-se que o Presidente da República devolveu, recentemente, a Lei de Alteração à Lei Orgânica sobre as Eleições Gerais ao Parlamento, para reapreciação de algumas matérias.