Luanda com fraca adesão ao recenseamento militar

  • Militares na Formatura  do Encerramento do IV Curso De Educacao Patriotica
Luanda - A Direcção de Recrutamento e Mobilização da Província de Luanda recenseou apenas 13 mil e 50 jovens, menos 14 mil rapazes para atingir a meta prevista que era de 27 mil, disse o coronel Domingos Santiago.

De acordo com o militar, o número reduzido de recenseados deve-se as restrições impostas pela pandemia da Covid -19.

O coronel do exercito, que divulgou a informação durante uma reunião de balanço de recenseamento militar realizada no Instituto Superior de Ciência de Educação (ISCED) na centralidade do Kilamba, no município de Belas, disse no entanto que o processo continua nas administrações locais.

Esclareceu que foram criadas brigadas móveis que se deslocaram aos hospitais e Centros de Reclusão para o registo de doentes e dos indivíduos em conflito com a lei, respectivamente, podendo os cidadãos abrangidos, que estiveram impossibilitados, a dirigir-se as administrações locais, enfatizou,   

No entanto alertou que a incorporação nas fileiras das Forças Armadas Angolanas (FAA) é feita com base em uma ordem exarada pelo Chefe do Estado Maior General e os jovens devem estar atentos para não cair nas burlas com promessas de ingresso no exército.

O coronel apelou aos jovens a cumprirem o processo de recenseamento para que não sejam privados de alguns benefícios sociais como o acesso a escola, trabalho, contrair matrimónio, emissão de passaporte, entre outros

Segundo o coronel Domingos Santiago podem ainda fazer o recenseamento todos os rapazes nascidos em 1 de Janeiro a 31 de Dezembro a 2003. O período, que era de 4 de Janeiro a 28 de Fevereiro deste ano nos municípios e distritos urbanos de Luanda, foi ampliado.   

Em 2020 a Direcção de Recrutamento Mobilização da Província de Luanda registou vinte seis mil jovens.

O Recenseamento Militar em Angola é feito ao abrigo da Lei número 1/93, de 26 de Março (Lei Geral do Serviço Militar).

Ao abrigo deste diploma, o recenseamento tem sido organizado nas administrações municipais, comunais e distritais. No exterior, decorrerm através das embaixadas e serviços consulares.

O cadastramento permite determinar o controlo das reservas aceitáveis em recursos humanos mobilizáveis, facilitando a renovação regular e qualitativa dos efectivos das Forças Armadas Angolanas, conforme as necessidades.

O recenseamento militar visa obter os dados de todos os cidadãos que atingem, em cada ano, a idade das obrigações militares, no quadro da Lei nº 1/93, de 26 de Março.

De acordo com o militar, o número reduzido de recenseados deve-se as restrições impostas pela pandemia da Covid -19.

O coronel do exercito, que divulgou a informação durante uma reunião de balanço de recenseamento militar realizada no Instituto Superior de Ciência de Educação (ISCED) na centralidade do Kilamba, no município de Belas, disse no entanto que o processo continua nas administrações locais.

Esclareceu que foram criadas brigadas móveis que se deslocaram aos hospitais e Centros de Reclusão para o registo de doentes e dos indivíduos em conflito com a lei, respectivamente, podendo os cidadãos abrangidos, que estiveram impossibilitados, a dirigir-se as administrações locais, enfatizou,   

No entanto alertou que a incorporação nas fileiras das Forças Armadas Angolanas (FAA) é feita com base em uma ordem exarada pelo Chefe do Estado Maior General e os jovens devem estar atentos para não cair nas burlas com promessas de ingresso no exército.

O coronel apelou aos jovens a cumprirem o processo de recenseamento para que não sejam privados de alguns benefícios sociais como o acesso a escola, trabalho, contrair matrimónio, emissão de passaporte, entre outros

Segundo o coronel Domingos Santiago podem ainda fazer o recenseamento todos os rapazes nascidos em 1 de Janeiro a 31 de Dezembro a 2003. O período, que era de 4 de Janeiro a 28 de Fevereiro deste ano nos municípios e distritos urbanos de Luanda, foi ampliado.   

Em 2020 a Direcção de Recrutamento Mobilização da Província de Luanda registou vinte seis mil jovens.

O Recenseamento Militar em Angola é feito ao abrigo da Lei número 1/93, de 26 de Março (Lei Geral do Serviço Militar).

Ao abrigo deste diploma, o recenseamento tem sido organizado nas administrações municipais, comunais e distritais. No exterior, decorrerm através das embaixadas e serviços consulares.

O cadastramento permite determinar o controlo das reservas aceitáveis em recursos humanos mobilizáveis, facilitando a renovação regular e qualitativa dos efectivos das Forças Armadas Angolanas, conforme as necessidades.

O recenseamento militar visa obter os dados de todos os cidadãos que atingem, em cada ano, a idade das obrigações militares, no quadro da Lei nº 1/93, de 26 de Março.