Kiwaba Nzoji ganha escola e residências para professores

Malanje- Uma escola do I ciclo de seis salas de aulas, com capacidade para 420 alunos em dois turnos, e uma residência T3 para professores, foram inauguradas, nesta quarta-feira, no sector de Quissua, comuna de Mufuma, município de Kiwaba.

A escola entra em funcionamento apenas no próximo ano lectivo, com os primeiros 420 alunos do I ciclo (7ª, 8ª e 9ª classes), já que até ao momento na localidade lecciona-se apenas o ensino primário (iniciação a 6ª classe), com 720 alunos em frequência neste ano de 2020.

Com a escola, a comuna de Mufuma conta com 18 salas de aulas com capacidade para 35 alunos cada, distribuídas pelos sectores de Ngangue, Lengueje e Quissua do ensino primário ao I ciclo.

Já a sede municipal de Kiwaba Nzoji ganhou quatro residências T3 para médicos, enfermeiros e professores e as localidades de Gonga Izambo e Carima-cage, uma residência da mesma tipologia para professores e técnicos de saúde.

As inaugurações foram feitas pelo governador de Malanje, Norberto dos Santos “Kwata Kanawa”, e antecedidas da deposição de uma coroa de flores e hastear da bandeira nacional, no Largo da Liberdade na cidade de Malanje, em homenagem aos nacionais já falecidos.

Governador assinala ganhos da independência

Norberto dos Santos assinalou a dignidade e soberania do povo angolano como os principais ganhos com a conquista da Independência Nacional, a 11 de Novembro de 1975, pelo que há necessidades de se trabalhar cada vez mais para o alcance do bem comum nos vários domínios.

Realçou que o Executivo continua engajado na concretização de acções viradas para a melhoria das condições sociais dos angolanos, cuja empreitada exige o sacrifício diário de todos, tendo lembrado que a independência não foi dada, mas sim arrancada do jugo colonial, com bravura e determinação dos próprios angolanos.

Entretanto, reiterou o apelo a nova geração de jovens no sentido de continuar a honrar os feitos daqueles que perderam as suas vias e deram o melhor de si para que a independência fosse um facto, através de acções que visem a consolidação da paz e unidade nacional.

Kwata Kanawa alertou a juventude a demarcar-se de discursos populistas e manifestações que não ajudam na edificação da Angola próspera que se pretende, mas sim a primar pelo civismo, respeito aos órgãos de soberania e manutenção do amor ao próximo.

A escola entra em funcionamento apenas no próximo ano lectivo, com os primeiros 420 alunos do I ciclo (7ª, 8ª e 9ª classes), já que até ao momento na localidade lecciona-se apenas o ensino primário (iniciação a 6ª classe), com 720 alunos em frequência neste ano de 2020.

Com a escola, a comuna de Mufuma conta com 18 salas de aulas com capacidade para 35 alunos cada, distribuídas pelos sectores de Ngangue, Lengueje e Quissua do ensino primário ao I ciclo.

Já a sede municipal de Kiwaba Nzoji ganhou quatro residências T3 para médicos, enfermeiros e professores e as localidades de Gonga Izambo e Carima-cage, uma residência da mesma tipologia para professores e técnicos de saúde.

As inaugurações foram feitas pelo governador de Malanje, Norberto dos Santos “Kwata Kanawa”, e antecedidas da deposição de uma coroa de flores e hastear da bandeira nacional, no Largo da Liberdade na cidade de Malanje, em homenagem aos nacionais já falecidos.

Governador assinala ganhos da independência

Norberto dos Santos assinalou a dignidade e soberania do povo angolano como os principais ganhos com a conquista da Independência Nacional, a 11 de Novembro de 1975, pelo que há necessidades de se trabalhar cada vez mais para o alcance do bem comum nos vários domínios.

Realçou que o Executivo continua engajado na concretização de acções viradas para a melhoria das condições sociais dos angolanos, cuja empreitada exige o sacrifício diário de todos, tendo lembrado que a independência não foi dada, mas sim arrancada do jugo colonial, com bravura e determinação dos próprios angolanos.

Entretanto, reiterou o apelo a nova geração de jovens no sentido de continuar a honrar os feitos daqueles que perderam as suas vias e deram o melhor de si para que a independência fosse um facto, através de acções que visem a consolidação da paz e unidade nacional.

Kwata Kanawa alertou a juventude a demarcar-se de discursos populistas e manifestações que não ajudam na edificação da Angola próspera que se pretende, mas sim a primar pelo civismo, respeito aos órgãos de soberania e manutenção do amor ao próximo.