UNITA defende programa emergencial contra malária

Malanje- O presidente da UNITA, Adalberto Costa Júnior, defendeu, neste sábado, em Malanje, a aprovação, pelo Governo angolano, de um programa emergencial de combate à malária, a fim de ajudar a reduzir o índice de mortes em Angola.

De acordo com o político, urge mobilizar recursos para travar a progressão da malária, à semelhança dos esforços empreendidos para combater a Covid-19 no país.

Ao falar no acto central das comemorações dos 49 anos da Liga da Mulher Angola (LIMA), formação feminina da UNITA, Adalberto Costa Júnior considerou que o país detém condições para garantir um sistema de saúde com qualidade e erradicar a malária.

Realçou, por outro lado, que a par da saúde, urge criar condições para tornar gratuito o ensino para todos os cidadãos, sobretudo crianças, a fim de construir-se um país próspero e isento de analfabetismo.

O político reiterou a necessidade de os cidadãos fiscalizarem as acções do Governo, apontando, igualmente, a necessidade do respeito mútuo. "Temos que aprender a ter uma convivência sã. Nenhum partido é mais importante que o país, nem que os cidadãos", frisou.

Por sua vez, a presidente da LIMA, Helena Abel, destacou a bravura das mulheres face aos desafios do partido.

As comemorações dos 49 anos da LIMA decorrem sob o lema “LIMA sim, na mobilização dos patriotas para a alternância do poder”.

De acordo com o político, urge mobilizar recursos para travar a progressão da malária, à semelhança dos esforços empreendidos para combater a Covid-19 no país.

Ao falar no acto central das comemorações dos 49 anos da Liga da Mulher Angola (LIMA), formação feminina da UNITA, Adalberto Costa Júnior considerou que o país detém condições para garantir um sistema de saúde com qualidade e erradicar a malária.

Realçou, por outro lado, que a par da saúde, urge criar condições para tornar gratuito o ensino para todos os cidadãos, sobretudo crianças, a fim de construir-se um país próspero e isento de analfabetismo.

O político reiterou a necessidade de os cidadãos fiscalizarem as acções do Governo, apontando, igualmente, a necessidade do respeito mútuo. "Temos que aprender a ter uma convivência sã. Nenhum partido é mais importante que o país, nem que os cidadãos", frisou.

Por sua vez, a presidente da LIMA, Helena Abel, destacou a bravura das mulheres face aos desafios do partido.

As comemorações dos 49 anos da LIMA decorrem sob o lema “LIMA sim, na mobilização dos patriotas para a alternância do poder”.