Morte de Kissassunda enfraquece comunidade de nacionalistas angolanos

  • Nacionalista Ludy Kissassunda
Luanda – O embaixador de Angola na Côte d`Ivoire, André Panzo, considerou, sexta-feira, que a morte do nacionalista "Ludy Kissassunda" enfraquece a comunidade dos cidadãos que se “bateram”, unidos e determinados contra o jugo colonial português.

Em declarações à ANGOP, o diplomata disse que, com a morte desse compatriota, o país perde um nacionalista que, ao lado de outros, deu o melhor de si para a independência do país.

João Rodrigues Lopes "Ludy Kissassunda", natural de Kinzau, província do Zaire, morreu no dia 6 deste mês, em Portugal, de doença.

Desempenhou várias funções de direcção e chefia no aparelho do Estado angolano, entre as quais de director de Informação e Segurança de Angola (1975-1979), membro do Conselho da Revolução e governador provincial de Malanje e do Zaire.

Em declarações à ANGOP, o diplomata disse que, com a morte desse compatriota, o país perde um nacionalista que, ao lado de outros, deu o melhor de si para a independência do país.

João Rodrigues Lopes "Ludy Kissassunda", natural de Kinzau, província do Zaire, morreu no dia 6 deste mês, em Portugal, de doença.

Desempenhou várias funções de direcção e chefia no aparelho do Estado angolano, entre as quais de director de Informação e Segurança de Angola (1975-1979), membro do Conselho da Revolução e governador provincial de Malanje e do Zaire.